Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.812,87
    +105,11 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.729,80
    -4,24 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,23
    -0,27 (-0,30%)
     
  • OURO

    1.770,00
    -1,20 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    22.779,21
    -677,50 (-2,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    541,93
    -15,80 (-2,83%)
     
  • S&P500

    4.283,74
    +9,70 (+0,23%)
     
  • DOW JONES

    33.999,04
    +18,72 (+0,06%)
     
  • FTSE

    7.541,85
    +26,10 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    19.841,83
    +77,92 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    28.967,94
    +25,80 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.511,25
    -12,00 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2115
    -0,0023 (-0,04%)
     

Estudo esclarece engano sobre fóssil bizarro de cobra de quatro patas

·2 min de leitura

A primeira cobra de quatro patas conhecida pela ciência e que vivia junto aos dinossauros, na verdade, pode ter sido uma criatura completamente diferente. De acordo com um novo estudo de um fóssil minúsculo que mede, aproximadamente, 19,5 centímetros de comprimento, o animal parece ter sido um tipo de lagarto marinho. Os pesquisadores explicam que o fóssil do possível lagarto, conhecido até então como Tetrapodophis amplectus, não possui características anatômicas importantes de cobras.

Os cientistas também pontuam que os restos mortais do animal, que teria vivido durante o período Cretáceo, entre 145 milhões a 66 milhões de anos atrás, podem ter sido exportados de forma ilegal do Brasil. Isso porque não há nenhum pesquisador brasileiro no estudo original, visto que a lei brasileira exige que cientistas do país da descoberta estejam inclusos em estudos de espécimes brasileiras.

<em>Tetrapodophis amplectus (Imagem: Divulgação/Martill et al., doi: 10.1126)</em>
Tetrapodophis amplectus (Imagem: Divulgação/Martill et al., doi: 10.1126)

Cobras de quatro pernas

De acordo com dois estudos de 2016, que analisam a genética das cobras, elas teriam começado a perder os membros há cerca de 150 milhões de anos por causa das mutações genéticas. Inclusive, outras pesquisas já encontraram evidências fósseis de uma cobra de duas pernas.

Já o estudo de 2015 mostrava o único fóssil de cobra quadrúpede registrado até então. A pesquisa conta que o Tetradophis usava suas quatro patas para agarrar os parceiros durante o acasalamento e também para prender as presas durante a caça. A evolução pode ter sido parte da transição dos lagartos antigos para as cobras mais modernas, que evoluíram de animais terrestres escavadores.

Novos estudos

Mas o fóssil foi analisado novamente e novos pesquisadores encontraram evidências de que o Tetrapodophis era mais parecido com um lagarto do que com uma serpente, principalmente pela anatomia do crânio. Além disso, o corpo da criatura não era parecido com o de uma cobra, pois o fóssil não conta com os sistemas estabilizadores zigosfenos e ziggantra, que ficam nas vértebras e as ajudam a deslizar para frente e para trás. Ao contrário disso, o fóssil possui costelas longas e retas, o que significa não se tratar de um bicho escavador, mas sim nadador, como os lagartos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos