Mercado fechará em 2 h 37 min
  • BOVESPA

    108.795,59
    +965,87 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.863,56
    -471,95 (-0,88%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,59
    +0,45 (+0,58%)
     
  • OURO

    1.887,00
    +2,20 (+0,12%)
     
  • BTC-USD

    22.792,28
    -132,33 (-0,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    525,32
    -11,57 (-2,15%)
     
  • S&P500

    4.127,89
    -36,11 (-0,87%)
     
  • DOW JONES

    34.035,96
    -120,73 (-0,35%)
     
  • FTSE

    7.890,52
    +25,81 (+0,33%)
     
  • HANG SENG

    21.283,52
    -15,18 (-0,07%)
     
  • NIKKEI

    27.606,46
    -79,01 (-0,29%)
     
  • NASDAQ

    12.569,00
    -207,75 (-1,63%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6197
    +0,0426 (+0,76%)
     

Estudo em humanos para vacina contra HIV é descontinuado; entenda

O sonho de uma vacina eficaz e segura contra o HIV foi temporariamente adiado, após o anúncio de que o estudo Mosaico será descontinuado. Em testes com humanos, o potencial imunizante contra o vírus da Aids foi desenvolvido pela Janssen — o braço farmacêutico da Johnson & Johnson. Segundo análises, a fórmula não obteve a eficácia esperada.

Iniciado ainda em 2019, o ensaio clínico de Fase 3 era, oficialmente, conhecido como HPX3002/HVTN 706. No total, a pesquisa Mosaico envolvida cerca de 3,9 mil voluntários, com idades entre 18 e 60 anos, espalhados por inúmeros países, como o Brasil — inclusive, o Canaltech chegou a entrevistar os cientistas responsáveis pela pesquisa.

Neste momento, os participantes do estudo para a vacina contra o HIV são notificados sobre a interrupção antecipada dos testes. Durante os testes, questões de segurança não foram destacadas, como efeitos adversos graves.

Interrompido por falta de eficácia

A decisão de descontinuar o estudo para uma vacina contra o HIV foi tomada, após relatório do painel independente de monitoramento de dados e segurança (DSMB). Revisando os dados da pesquisa, o grupo identificou que o número de infecções por HIV foi equivalente entre as pessoas que receberam o imunizante e o placebo. No entanto, nenhuma questão relacionada com a segurança foi identificada.

Estudo para potencial vacina contra o HIV é descontinuado por falta de eficácia (Imagem: Anna Shvets/ Pexels)
Estudo para potencial vacina contra o HIV é descontinuado por falta de eficácia (Imagem: Anna Shvets/ Pexels)

Vale explicar que, para imunizar, a fórmula continha fragmentos de uma ampla variedade de cepas do HIV — por isso, o nome Mosaico. Para entregar essas informações, a vacina usava um vírus do resfriado comum (Ad26) editado geneticamente. Apesar do conceito, o imunizante não conseguiu obter a eficácia necessária para que os estudos continuassem e a fórmula chegasse ao mercado.

Por que é tão difícil criar uma vacina contra o vírus da Aids?

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

"Ciência é assim", comenta o médico e infectologista Vinícius Borges, nas redes sociais, sobre o desfecho. "Nem sempre temos o resultado desejado, mas o conhecimento se acumula", acrescenta sobre as descobertas fornecidas pelos testes.

"Desenvolver uma vacina contra HIV é extremamente desafiador", explica o médico. Inclusive, diferentes opções consideradas promissoras não conseguiram demonstrar a eficácia durante os estudos clínicos. Isso porque, segundo Borges, "o vírus é extremamente mutável, se esconde e consegue escapar do sistema imune".

Hoje, para evitar novas infecções contra o HIV que ocorrem através do sexo, existem três principais caminhos: o uso de preservativos durante a relação, a Profilaxia Pré-Exposição (PrEP) e a Profilaxia Pós-Exposição (PEP). Também cabe destacar que pessoas que convivem com o vírus e tratam a infecção de forma contínua — estão indetectáveis — não transmitem o agente infeccioso.

No futuro, é possível que uma tão sonhada vacina se junte a este leque de opções preventivas, já que outras pesquisas ainda estão em andamento. Este é o caso da fórmula da mRNA (RNA mensageiro) da Moderna.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: