Mercado abrirá em 8 h 9 min
  • BOVESPA

    106.858,87
    +1.789,18 (+1,70%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.605,56
    +8,27 (+0,02%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,06
    +0,57 (+0,82%)
     
  • OURO

    1.778,90
    -0,60 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    50.873,39
    +1.723,41 (+3,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.313,79
    +53,64 (+4,26%)
     
  • S&P500

    4.591,67
    +53,24 (+1,17%)
     
  • DOW JONES

    35.227,03
    +646,95 (+1,87%)
     
  • FTSE

    7.232,28
    +109,96 (+1,54%)
     
  • HANG SENG

    23.666,87
    +317,49 (+1,36%)
     
  • NIKKEI

    28.331,53
    +404,16 (+1,45%)
     
  • NASDAQ

    15.855,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4276
    +0,0040 (+0,06%)
     

Estudo descobre possível tratamento para Alzheimer em remédios já conhecidos

·1 min de leitura

Pesquisadores vêm estudando, dia após dia, um possível tratamento para o Alzheimer. No entanto, um novo estudo do Rush University Medical Center (EUA) aponta que dois medicamentos já disponíveis nas farmácias podem ter potencial contra a doença, não apenas neutralizando os danos cerebrais causados, mas também melhorando a cognição.

Trata-se do gemfibrozila (especialmente indicado para reduzir o colesterol) e o ácido retinoico, também conhecido como tretinoína, um derivado da vitamina A (usado para tratar várias doenças, desde acne até psoríase, uma doença autoimune).

Os dois medicamentos estão sendo estudados por seu forte impacto no cérebro e um novo papel potencial que poderia um dia levá-los a lutar contra o Alzheimer, ainda considerado uma doença cerebral incurável. Os dois remédios contam com uma capacidade de se concentrar nos astrócitos do cérebro, células que podem ser responsáveis ​​pelo acúmulo de uma placa pegajosa que danifica os neurônios (chamada de beta amiloide).

(Imagem: HeungSoon/Pixabay)
(Imagem: HeungSoon/Pixabay)

A equipe de pesquisadores descobriu que esses dois medicamentos, quando usados ​​juntos, forçam os astrócitos a reverter o processo destrutivo e reduzem a placa beta amiloide, melhorando a função cognitiva. As descobertas sugerem que, futuramente, talvez essas drogas possam ser reaproveitadas para induzir os astrócitos a um papel benéfico.

De qualquer forma, ainda não se sabe quando os experimentos podem avançar para um ensaio clínico com a participação de seres humanos. Por enquanto, as análises foram conduzidas apenas em camundongos. O estudo pode ser encontrado aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos