Mercado abrirá em 5 h 58 min
  • BOVESPA

    102.814,03
    +589,77 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.796,30
    +303,78 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,59
    -1,36 (-1,94%)
     
  • OURO

    1.795,10
    +9,90 (+0,55%)
     
  • BTC-USD

    56.392,11
    -1.001,59 (-1,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.425,15
    -3,78 (-0,26%)
     
  • S&P500

    4.655,27
    +60,65 (+1,32%)
     
  • DOW JONES

    35.135,94
    +236,60 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.109,95
    +65,92 (+0,94%)
     
  • HANG SENG

    23.304,17
    -548,07 (-2,30%)
     
  • NIKKEI

    27.996,18
    -287,74 (-1,02%)
     
  • NASDAQ

    16.306,25
    -84,50 (-0,52%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3410
    +0,0118 (+0,19%)
     

Estudo confirma eficácia de vacina indiana contra covid

·2 min de leitura
Profissional de saúde prepara uma dose da vacina Covaxin contra a covid-19 em um centro de saúde em Nova Delhi, na Índia, em 21 de outubro de 2021 (AFP/Prakash SINGH)

A vacina Covaxin, a primeira contra a covid-19 desenvolvida na Índia, claramente evita o aparecimento da doença, segundo estudo publicado nesta quinta-feira (11), enquanto a Organização Mundial da Saúde (OMS) já a aprovou.

Esta vacina é "altamente eficaz contra a covid-19 sintomática (...) em adultos", resume o estudo, publicado na "The Lancet", acrescentando que o imunizante foi "bem tolerado", sem efeitos colaterais graves significativos.

A OMS já havia aprovado essa vacina em caráter de emergência há alguns dias com base nesse estudo, mas o mesmo ainda não havia sido divulgado.

A Covaxin, produzida pelo grupo Bharat Biotech, junta-se, assim, às vacinas anticovid da Pfizer/BioNTech, Moderna, AstraZeneca, Johnson & Johnson, Sinopharm e Sinovac na lista da OMS.

O estudo, com a participação de 25 mil pessoas, que receberam a vacina ou um placebo, mostrou que havia cerca de três quartos a menos de casos de covid-19 entre os vacinados. A eficácia é inferior à observada inicialmente nas vacinas de RNA mensageiro da Pfizer e da Moderna, porém ainda é considerada alta.

O imunizante é especialmente interessante para países pobres e em desenvolvimento, pois requer menos capacidade logística do que as vacinas de RNA mensageiro, que precisam ser armazenadas em temperaturas muito baixas.

A chegada da Covaxin pode "melhorar o fornecimento inadequado de vacinas, que afeta desproporcionalmente os países de baixa e média renda", indicam os pesquisadores chineses Jing-Xin Li e Feng-Cai Zhu, que não participaram do estudo. No entanto, eles apontam para algumas limitações: os testes foram conduzidos apenas na Índia, "o que torna a coorte do estudo menos etnicamente diversa e limita a possibilidade de generalizar esses resultados para outras populações".

Além disso, o estudo foi realizado entre novembro de 2020 e janeiro de 2021, antes da expansão da variante Delta, mais contagiosa e potencialmente mais resistente à vacinação.

jdy/may/swi/pc/mb/ic/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos