Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.528,97
    +456,35 (+0,95%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,61
    +0,17 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +3,70 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    55.291,14
    +404,65 (+0,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.268,51
    +34,10 (+2,76%)
     
  • S&P500

    4.134,94
    -28,32 (-0,68%)
     
  • DOW JONES

    33.821,30
    -256,33 (-0,75%)
     
  • FTSE

    6.859,87
    -140,21 (-2,00%)
     
  • HANG SENG

    28.661,58
    -474,15 (-1,63%)
     
  • NIKKEI

    28.557,12
    -543,26 (-1,87%)
     
  • NASDAQ

    13.738,50
    -55,75 (-0,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6866
    -0,0159 (-0,24%)
     

Estudo com ratos dá esperança para a perda de cabelos em humanos

·2 minuto de leitura

Ratos estressados perdem os pêlos, devido a um hormônio que atrapalha o crescimento do cabelo, de acordo com um estudo que pode dar esperança aos humanos que perdem o cabelo.

O estudo, publicado nesta quarta-feira (31) na revista científica Nature, é o primeiro a mostrar como o estresse pode causar queda de cabelo e propõe uma forma de contê-lo.

Pesquisadores liderados pelo professor Ya-Chieh Hsu, da Universidade de Harvard, questionam se os hormônios produzidos em situações estressantes têm efeito nas três fases que o cabelo segue: anagênica (crescimento), catagênica (para de crescer) e telogênica (queda).

Em humanos, o estresse induz a produção de cortisona, equivalente em camundongos à corticosterona, produzida pela glândula suprarrenal.

Para medir o papel da corticosterona, os pesquisadores removeram a glândula suprarrenal de um grupo de camundongos, chamado ADX, e compararam o crescimento do cabelo ao de um grupo de controle.

Camundongos ADX (isto é, sem glândula suprarrenal) tiveram uma fase telogênica (repouso) mais curta, e seus cabelos cresceram mais rápido e mais longo durante a fase anagênica.

Além disso, as três fases de crescimento se seguiram muito mais rapidamente, a uma taxa de 10 vezes em 16 meses, em comparação com apenas três vezes no caso dos camundongos do grupo de controle.

O estudo também examinou os efeitos do aumento dos níveis de corticosterona em camundongos, obtidos pela administração desse hormônio ou submetendo o roedor a estresse externo. Em ambos os casos, os ratos passaram por uma fase de repouso do crescimento do cabelo mais longa do que a fase normal.

Os pesquisadores descobriram que a corticosterona impedia a produção de uma proteína, Gas6, essencial para o crescimento do cabelo. Eles verificaram que poderiam neutralizar o efeito da corticosterona injetando a proteína Gas6 na pele dos camundongos.

"Nossa descoberta é apenas o primeiro passo importante e daremos mais trabalho antes de encontrar uma aplicação em humanos", disse o professor Hsu à AFP. Embora "seria interessante ver se Gas6 pode estimular o crescimento do cabelo em geral", acrescentou.

sah-pcl/fmp/mis/mb/gf/mvv