Mercado abrirá em 6 h 11 min
  • BOVESPA

    109.101,99
    +1.088,52 (+1,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.508,35
    -314,88 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,29
    -0,61 (-0,70%)
     
  • OURO

    1.841,10
    -1,50 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    38.843,59
    -3.015,40 (-7,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    917,29
    -77,97 (-7,83%)
     
  • S&P500

    4.482,73
    -50,03 (-1,10%)
     
  • DOW JONES

    34.715,39
    -313,26 (-0,89%)
     
  • FTSE

    7.585,01
    -4,65 (-0,06%)
     
  • HANG SENG

    24.808,96
    -143,39 (-0,57%)
     
  • NIKKEI

    27.416,76
    -356,17 (-1,28%)
     
  • NASDAQ

    14.676,75
    -164,25 (-1,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1362
    +0,0061 (+0,10%)
     

Estudo com gêmeos idênticos mostra como o veganismo muda o corpo humano

·1 min de leitura

Os gêmeos idênticos Hugo e Ross Turner protagonizaram um estudo do King’s College London que visa entender como o veganismo muda o corpo humano. Para isso, um deles aderiu a uma dieta vegana por 12 semanas, enquanto o outro seguiu comendo produtos de origem animal normalmente. Durante o estudo, os gêmeos ingeriram a mesma quantidade de calorias e fizeram os mesmos exercícios.

Hugo, que aderiu à dieta vegana, conta em uma entrevista à BBC que a mudança foi difícil, principalmente nas primeiras semanas em que estava com muita vontade de comer carne, mas com o tempo, passou a ter mais energia. Enquanto isso, Ross — que manteve o hábito de comer carne — alega oscilação: em alguns dias, sentia mais energia que em outros.

Como o veganismo muda o corpo humano

Outras mudanças notadas no gêmeo que virou vegano foram queda nos níveis de colesterol, perda de peso e aumento da resistência ao diabetes tipo 2, além de níveis mais estáveis de açúcar no sangue.

Os pesquisadores notaram, no entanto, que o vegano teve uma redução na diversidade de bactérias intestinais, em comparação com o irmão, tornando-o mais suscetível a doenças.

Ainda que a condição genética de gêmeos idênticos seja o mais próximo que se pode atingir, os pesquisadores explicam que ainda há diferenças: a maioria dos gêmeos idênticos compartilha apenas entre 25% e 30% de seus micróbios entre si, por isso seus metabolismos podem reagir aos alimentos de maneira distinta.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos