Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.448,96
    -96,97 (-0,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Núcleo da Terra desacelerou sua rotação em relação à superfície, diz estudo

O núcleo da Terra, uma esfera quente do tamanho de Plutão, diminuiu sua rotação e pode estar girando mais lentamente que a superfície — afirma um estudo que acrescenta mais controvérsia a um assunto que divide especialistas.

Este "planeta dentro do planeta", a cerca de 5 mil quilômetros da superfície e feito principalmente de ferro, parou de rodar mais rápido que a superfície e pode até ter desacelerado, sugere este estudo publicado na segunda-feira (23) pela Nature Geoscience.

O mecanismo exato de rotação desta esfera, livre de movimento uma vez que flutua no líquido do núcleo externo, permanece difícil de decifrar. O pouco que se sabe é baseado em análises das ondas sísmicas, provocadas por terremotos, quando passam pelo centro do planeta.

Ao analisar os dados das ondas sísmicas nas últimas seis décadas, Xiaodong Song e Yi Yang, da Universidade de Pequim, concluíram que a rotação do núcleo desacelerou, até atingir o mesmo nível da superfície por volta de 2009. Desde então, parece ter diminuído ainda mais.

"Um ciclo completo (com uma rotação mais rápida e depois mais lenta) deste movimento dura em torno de sete décadas", acrescentaram os pesquisadores.

O núcleo acelerou sua rotação em relação ao resto da Terra no início dos anos 1970. O próximo ciclo ocorrerá em meados da década de 2040, de acordo com os pesquisadores.

Até hoje, existem poucas indicações sobre a influência desta rotação na superfície terrestre. No entanto, os dois autores garantem estar convencidos de que existem ligações físicas entre todas as camadas que compõem a Terra.

"Este é um estudo muito prudente de excelentes cientistas que usaram muitos dados", disse à AFP o sismólogo John Vidale, da Universidade da Califórnia do Sul.

Para ele, porém, "nenhum dos modelos existentes realmente explica bem todos os dados disponíveis".

dl-pcl/juc/fmp/abl/es/mb/ap/am/aa/tt