Mercado fechará em 5 horas 1 minuto

Estudo aponta que hackers já desviaram R$ 10 bi bilhões em cripto só este ano

Chainalysis afirma que 70% dos casos de roubos de fundos de criptomoedas registrados em 2022 foram causados por hacks nesses sistemas (Getty Creative)
Chainalysis afirma que 70% dos casos de roubos de fundos de criptomoedas registrados em 2022 foram causados por hacks nesses sistemas (Getty Creative)
  • Pelo menos US$ 2 bilhões em criptomoedas foram desviados de pontes em 2022

  • Nomad teve US$ 190,4 milhões roubados por hackers no início da semana

  • Tecnologia das bridges ainda está em sua infância e muitos novos modelos ainda estão sendo testados, o que facilita ataques

Um relatório produzido pela empresa de análise de blockchain Chainalysis revelou que, somente em 2022, pelo menos US$ 2 bilhões (R$ 10 bilhões) em criptomoedas foram desviados de pontes.

Um dos casos mais recentes é o da Nomad, empresa norte-americana de cripto, que serve de ponte entre diferentes tecnologias blockchain (foco em “bridging”), e que teve US$ 190,4 milhões roubados por hackers no início da semana. A instituição está oferecendo uma recompensa de 10% sobre o que for devolvido e se comprometeu também a não prestar queixa junto às autoridades.

De acordo com o InfoMoney, o relatório afirma que a tecnologia das bridges ainda está em sua infância e que muitos novos modelos ainda estão sendo testados, o que facilita ataques. “As pontes são um alvo atraente porque geralmente apresentam um ponto central de armazenamento de fundos que apoiam os ativos ‘de ponte’ na blockchain receptora".

A Chainalysis afirma que 70% dos casos de roubos de fundos de criptomoedas registrados em 2022 foram causados por hacks nesses sistemas.

"No total, foram 13 hacks em pontes de cripto em 2022. O maior deles foi realizado contra a bridge Ronin, do jogo Axie Infinity (AXS), que gerou uma perda de US$ 625 milhões em Ethereum (ETH) e USD Coin (USDC). O projeto foi atacado pelo grupo de hackers norte-coreano Lazarus", conta a reportagem.

No início do ano, a plataforma de criptomoedas Crypto.com reconheceu que a empresa havia perdido mais de US$ 33 milhões (R$ 182 milhões) em Bitcoin e Ethereum após um hack que ocorreu em 17 de janeiro.

O valor total dos saques não autorizados foi de 4.836,26 ETH e 443,93 BTC – equivalente a aproximadamente US$ 15,2 milhões (R$ 82 milhões) e US$ 18,6 milhões (R$ 100 milhões), respectivamente, nas taxas de câmbio da época – bem como US$ 66.200 (R$ 358 mil) em outras moedas. De acordo com o post, 483 usuários do Crypto.com tiveram suas contas comprometidas.