Mercado fechará em 2 h 43 min
  • BOVESPA

    107.205,66
    -1.245,55 (-1,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.533,32
    +91,11 (+0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,75
    +0,60 (+0,73%)
     
  • OURO

    1.667,60
    -2,40 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    19.459,23
    -89,70 (-0,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    444,71
    -1,27 (-0,28%)
     
  • S&P500

    3.635,73
    -83,31 (-2,24%)
     
  • DOW JONES

    29.169,14
    -514,60 (-1,73%)
     
  • FTSE

    6.881,59
    -123,80 (-1,77%)
     
  • HANG SENG

    17.165,87
    -85,01 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    26.422,05
    +248,07 (+0,95%)
     
  • NASDAQ

    11.171,50
    -384,25 (-3,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2717
    +0,0391 (+0,75%)
     

Estudo aponta que dinossauros caminhavam para extinção antes do asteroide

Há várias teorias acerca do fim dos dinossauros. Embora a comunidade científica, no geral, reconheça que a queda do meteoro Chicxulub, há 66 milhões de anos, foi um fator decisivo para a extinção dos não-avianos, há quem diga que eles já estavam em vias de sumir por conta própria por alguns milhões de anos. Uma nova pesquisa, agora, incide nova luz sobre a teoria, notando uma queda na biodiversidade dos grandes répteis.

A análise foi realizada em mais de 1.000 ovos fossilizados, coletados na China central e conduzidos pela Academia de Ciências do país. Segundo os achados, a diversidade dos dinossauros já vinha diminuindo por pelo menos 2 milhões de anos antes do evento final do Cretáceo. Os ovos estavam preservados em uma camada rochosa de 150 metros de espessura, depositada entre 68,2 e 66,4 milhões de anos atrás.

Agrupamento de ovos fossilizados de dinossauro, coletados na China central (Imagem: Qiang Wang, IVPP/Fei Han & Chen Wen, China U. of Geosciences)
Agrupamento de ovos fossilizados de dinossauro, coletados na China central (Imagem: Qiang Wang, IVPP/Fei Han & Chen Wen, China U. of Geosciences)

Declínio dos dinossauros

A bacia de Shanyang, de onde vem os ovos fossilizados, guarda uma das reservas mais ricas em restos fósseis do final do período Cretáceo — o fato de que os pesquisadores encontraram apenas 3 espécies diferentes nos ovos fossilizados mostra uma queda na biodiversidade em comparação a registros fósseis mais antigos.

Esse declínio, teorizam, teria enfraquecido a habilidade coletiva de se recuperar do impacto do asteroide derradeiro ou se adaptar às condições climáticas turbulentas de sua época. Flutuações no clima global e erupções vulcânicas massivas são alguns dos fatores citados pelos especialistas na contribuição para a extinção de tantas espécies répteis.

Duas das três oospécies (espécies de ovo fossilizado) encontradas vinham de dinossauros sem dentes semelhantes a papagaios chamados ovirraptores, enquanto a outra vinha de herbívoros hadrossaurídeos, dinos com bicos como os de pato.

A pouca diversidade encontra apoio nos restos de esqueletos de dinossauros da mesma bacia paleontológica, bem como de outros depósitos fósseis no leste e sul da China e na América do Norte, que mostram poucos dinos no mesmo período.

Chicxulub, o meteoro que extinguiu os dinossauros, é consenso científico, mas há quem ache que eles já caminhavam para o fim há milhões de anos (Imagem: Donald E. Davis/CC BY-SA 3.0)
Chicxulub, o meteoro que extinguiu os dinossauros, é consenso científico, mas há quem ache que eles já caminhavam para o fim há milhões de anos (Imagem: Donald E. Davis/CC BY-SA 3.0)

Controvérsias

Há, no entanto, controvérsias sobre a teoria. Mesmo os pesquisadores do estudo admitem que pode haver vieses nos registros fósseis, como diferenças na abordagem analítica e escassez de precisão geocronológica na datação de dinossauros fossilizados. As técnicas utilizadas, por exemplo, envolveram estratificação de centenas de amostras rochosas encapsulando os fósseis de ovo, estimando sua idade e construindo uma linha do tempo com resolução de 100.000 anos.

Outros estudos discordam, como uma análise recente que simulou a especiação dos dinossauros — a taxa com que novas espécies surgem — e determinou que menos de 20% dos grandes répteis estavam em declínio terminal antes do impacto do asteroide, com certas espécies até mesmo prosperando.

Os cientistas chineses, mesmo assim, gostariam de ver uma solução para o debate, que, segundo eles, só poderá ser resolvido ao encontrar, amostrar e analisar mais fósseis, além de integrar dados já coletados e formar uma base sólida de informações sobre os antigos animais e seus padrões de extinção. O estudo na Ásia, esperam eles, deve ajudar a melhorar esse entendimento.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: