Mercado fechará em 2 h 30 min
  • BOVESPA

    121.393,19
    +687,28 (+0,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.137,16
    +307,85 (+0,63%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,17
    +1,35 (+2,12%)
     
  • OURO

    1.838,40
    +14,40 (+0,79%)
     
  • BTC-USD

    50.787,01
    +3.192,30 (+6,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.420,90
    +62,34 (+4,59%)
     
  • S&P500

    4.172,38
    +59,88 (+1,46%)
     
  • DOW JONES

    34.371,66
    +350,21 (+1,03%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.358,00
    +257,75 (+1,97%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3890
    -0,0235 (-0,37%)
     

Estudo aponta que 5 em cada 10 formados entre 2019 e 2020 não trabalham

·1 minuto de leitura
  • Cinco de cada dez profissionais recém-formados entre 2019 e 2020 estão sem trabalhar, segundo pesquisa do Nube

  • Estudo apontou que 20% dos entrevistados já inseridos no mercado exercem as profissões para as quais se formaram

  • Taxa de desemprego no Brasil salta para 29,8% entre jovens de 18 a 24 anos

Cinco de cada dez profissionais que receberam seus diplomas entre 2019 e 2020 estão sem trabalhar e 28% deles desempregados há mais de um ano, concluiu pesquisa com 8.465 brasileiros realizada pelo Nube (Núcleo Brasileiro de Estágios) e publicada pelo portal UOL.

A taxa de desemprego no Brasil era 13,9% no último trimestre de 2020, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), porém salta para 29,8% dos jovens entre 18 e 24 anos (inclusive os recém-formados).

Motivado por este indicador, o Nube realizou sua pesquisa entre recém-saídos da universidade e constatou que "52,12% afirmam não estar trabalhando" (27,8% sem emprego há mais de 12 meses). Em relação aos profissionais já inseridos no mercado de trabalho, apenas 20% "executam atividades pertinentes as suas profissões", indicou o estudo.

"Entre os exemplos apontados na pesquisa, estão administradores atuando como operadores de caixa, cozinheiros e até mesmo pedagogos exercendo funções de faxina ou acompanhante de idoso", diz o Nube.

Há dois anos, mostra a pesquisa, 27% dos brasileiros conseguiam ingressar em suas áreas em menos de três meses após a formatura. Hoje, somente 15%. Embora 60% dos participantes tenham estagiado durante a faculdade, 65% deles relataram exigência de experiência prévia por parte das contratantes.

Segundo o levantamento, 11% já desistiram de procurar emprego "por causa da pandemia".