Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.590,80
    -1.746,04 (-4,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Estrutura viral é totalmente decifrada por criomicroscopia eletrônica

·2 minuto de leitura
Estrutura viral é totalmente decifrada por criomicroscopia eletrônica
Estrutura viral é totalmente decifrada por criomicroscopia eletrônica

Pela primeira vez no Brasil e em toda a América Latina, uma estrutura viral é completamente desvendada. E isso se deu graças a uma tecnologia chamada criomicroscopia eletrônica. Esse método permite observar a estrutura atômica tridimensional de moléculas biológicas. Vale destacar que a técnica vem sendo amplamente utilizada para compreender detalhes do SARS-CoV-2, vírus responsável pela Covid-19.

Pesquisadores do CNPEM (Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais), elucidaram a estrutura do Mayaro, vírus responsável pela Febre do Mayaro, doença endêmica cujo vetor é um mosquito. Essa patologia tem sintomas muito parecidos com os da Chikungunya, o que acaba prejudicando o planejamento de estratégias de controle.

Ilustração 3D do vírus Mayaro, que causa a Febre do Mayaro, doença endêmica cujo vetor é um mosquito. Imagem: Kateryna Kon – Shutterstock
Ilustração 3D do vírus Mayaro, que causa a Febre do Mayaro, doença endêmica cujo vetor é um mosquito. Imagem: Kateryna Kon – Shutterstock

Utilizando tecnologia com resolução de 4.4 angstrom (algo em torno de 100 mil vezes menor do que a espessura de um fio de cabelo), o trabalho, que contou com a participação de 20 cientistas, revelou detalhes inéditos da composição do vírus.

Leia mais:

De acordo com um dos membros da equipe, o cientista Rafael Elias Marques, eles descreveram a partícula infecciosa do vírus Mayaro, incluindo todas as proteínas que o compõem. “Foram usadas técnicas que permitiram observar detalhes da biologia do vírus que não tinham sido descritos em outros trabalhos, e que representam um avanço em nossas capacidades de combate e entendimento da doença”, explicou Marques, em nota para o UOL.

Um aperto de mãos entre as proteínas do vírus

As cadeias de açúcares ligadas à proteína E2 do vírus Mayaro foram apelidadas pelos cientistas de handshake (aperto de mãos, em tradução livre), por se assemelharem a essa saudação.

Segundo a equipe, esses açúcares, além de serem reconhecidos pelo sistema imunológico, ajudam o vírus a se organizar e se estabilizar mais facilmente. O conhecimento dessa organização é fundamental para entender o ciclo de replicação do vírus e eventuais vulnerabilidades que podem ser alvo de novos tratamentos.

Acelerador de partículas brasileiro ajudará no avanço das pesquisas

Após as descobertas do estudo, o CNPEM contará com o Sirius para progredir ainda mais nas pesquisas. O Sirius, um gigantesco acelerador de partículas construído no campus do CNPEM, localizado na zona rural de Campinas (SP), é uma das mais avançadas fontes de luz síncrotron do mundo, apenas comparado ao MAX-IV, da Suécia.

Sirius: acelerador de partículas é um dos projetos mais ambiciosos da ciência brasileira (Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM)/Divulgação)
Sirius: acelerador de partículas é um dos projetos mais ambiciosos da ciência brasileira (Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM)/Divulgação)

Por meio do Sirius, serão feitos experimentos sobre o mecanismo de infecção, não apenas em relação à Febre do Mayaro, mas também a outras doenças virais que atingem a população brasileira. Assim, será possível desenvolver novas terapias e estratégias para diagnóstico.

Já assistiu aos nossos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!