Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.088,31
    -169,99 (-0,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

Estresse sofrido por grávidas na pandemia afeta cérebro de bebês

O estresse sofrido por grávidas durante a pandemia de covid-19 pode ter afetado o cérebro dos bebês, segundo um estudo publicado na revista Communications Medicine. Para chegar a essa afirmação, os pesquisadores analisaram 65 mulheres que engravidaram durante a pandemia (junho de 2020 a abril de 2021) e 137 que tiveram filho pouco antes da pandemia (março de 2014 a fevereiro de 2020).

Na prática, os pesquisadores registraram os cérebros de fetos ainda no útero, usando ressonância magnética (RM). A imagem avaliou a estrutura da superfície do cérebro, incluindo dobras corticais, a forma enrugada e a profundidade das rugas da superfície.

Os autores do estudo conduziram, então, um questionário sobre qualquer sofrimento experimentado durante a gravidez, incluindo ansiedade, estresse e depressão. Esses efeitos foram notavelmente maiores nas participantes grávidas durante a pandemia (52%) em comparação com as que tiveram a gestação antes de tudo acontecer (27,6%).

Impacto do estresse no cérebro dos bebês

Estresse sofrido na pandemia afeta cérebro de bebês (Imagem: Daniel Reche/Pixabay)
Estresse sofrido na pandemia afeta cérebro de bebês (Imagem: Daniel Reche/Pixabay)

Os autores observaram que a estrutura cerebral e os volumes da substância branca estavam menores nos fetos das que engravidaram durante a pandemia. O desenvolvimento dessas estruturas cerebrais foi negativamente associado a ansiedade, estresse e depressão. Os autores sugerem que essas métricas podem indicar um efeito chamado "girificação [forma enrugada] cerebral atrasada".

No entanto, há diversos aspectos relacionados ao desenvolvimento do cérebro, não apenas o estresse materno elevado, e futuros estudos devem considerar o impacto a longo prazo dessas possíveis mudanças.

"O sofrimento psicológico materno elevado durante a gravidez está ligado a resultados adversos na prole. Os efeitos potenciais de níveis intensificados de sofrimento materno durante a pandemia de covid-19 no cérebro fetal em desenvolvimento são atualmente desconhecidos", diz o estudo. "O volume de algumas áreas do cérebro fetal diminuiu e houve um atraso no desenvolvimento das dobras cerebrais nos fetos das mães angustiadas", conclui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos