Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    45.397,72
    -1.401,93 (-3,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Estresse pandêmico aumenta demanda por serviços de bem-estar

FLÁVIA G. PINHO
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Empresas de bem-estar corporativo que conseguiram se adaptar rapidamente ao mundo digital experimentaram um crescimento acelerado na pandemia, em razão da adoção forçada e prolongada do home office. Fundador da Yoga nas Empresas, o administrador Ricardo Carneiro, 40, sofreu um baque assim que a quarentena começou: muitos contratos foram suspensos e o faturamento caiu 60%. Aos poucos, acordos foram retomados com a oferta de aulas de ioga online e novos foram conquistados. Hoje, o negócio já fatura 50% mais do que no período pré-pandemia. "Os gestores perceberam que os colaboradores estão com nível de estresse alto, cuidando da casa, dos filhos e sem interação social. Sem falar nos infectados pela Covid, que precisam fazer exercícios respiratórios para recuperar a capacidade pulmonar", diz. Há dois formatos de aula que podem ser contratados: o gravado e o ao vivo, com transmissão pelo Instagram. A rede Leroy Merlin, por exemplo, pediu à companhia uma agenda de lives semanais, aberta aos 10 mil funcionários. "Pudemos alcançar não somente o colaborador, mas seus dependentes", conta Monique Lima, analista de benefícios da empresa. Priorizar o mercado corporativo, segundo Ricardo, é vantajoso. Ele cobra R$ 280 pela sessão de 20 minutos e assina contratos mais longos, de até um ano. O preço é o mesmo para aulas remotas e presenciais --o formato online dispensa deslocamento até os clientes, mas requer investimento em tecnologia. Fundada em 2019, a MindSelf, que oferece programas de meditação e mindfulness (atenção plena), também experimentou crescimento durante a pandemia. Segundo os fundadores, Alexandre Ayres, 51, e Wagner Lima, 47, o número de contratos pulou de 5 para 20, e o faturamento chegou a R$ 1 milhão, um aumento de 400%. A agilidade da migração para o digital, eles dizem, foi fundamental. Palestras sobre os benefícios da meditação, workshops para lideranças e sessões de diferentes técnicas meditativas passaram a ser transmitidas em lives. A dupla também acaba de lançar um aplicativo com sessões guiadas de meditação, cujo acesso é permitido apenas aos funcionários das empresas clientes. "É um hábito que melhora a concentração, estimula a criatividade, aprimora o processo de tomada de decisão e, consequentemente, gera reflexos nos resultados da empresa", diz Alexandre Ayres. O grande desafio para negócios do ramo é falar a mesma língua do mercado corporativo, de acordo com a consultora de marketing do Sebrae-SP Caroline Minucci. "Muitos deles quebraram porque não conseguiram se adequar ao universo online e continuaram apegados ao contato olho no olho. É um setor que exige objetividade e agilidade", afirma.