Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.042,48
    -76,52 (-0,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.905,06
    +36,24 (+0,09%)
     
  • PETROLEO CRU

    42,17
    +0,43 (+1,03%)
     
  • OURO

    1.869,60
    +8,10 (+0,44%)
     
  • BTC-USD

    18.412,01
    -42,74 (-0,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    364,22
    +2,79 (+0,77%)
     
  • S&P500

    3.583,15
    +25,61 (+0,72%)
     
  • DOW JONES

    29.639,39
    +375,91 (+1,28%)
     
  • FTSE

    6.351,45
    +17,10 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    26.451,54
    +94,54 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    25.527,37
    -106,93 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.908,00
    -79,25 (-0,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3799
    +0,0727 (+1,15%)
     

Estrategista do JPMorgan vê cenário otimista para emergentes

Ben Bartenstein
·1 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Mercados emergentes estão prontos para um rali nos próximos anos, após um longo período de retornos decepcionantes, de acordo com o JPMorgan Chase.

Gabriela Santos, estrategista de mercado global no braço de investimentos do banco, disse que a classe de ativos se beneficiará de uma recuperação cíclica da economia global, impulsionada pelos avanços das vacinas contra a Covid-19. O retorno de uma política externa mais ortodoxa sob o presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, bem como bancos centrais com políticas mais acomodatícias fornecem suporte adicional.

“Há muitas estrelas se alinhando para os mercados emergentes”, disse Santos em entrevista à Bloomberg TV. “Estamos extremamente otimistas em relação às ações, dívidas e moedas de mercados emergentes.”

Investidores e analistas de outras empresas, como BlackRock, Goldman Sachs e Renaissance Capital, também destacam oportunidades em mercados emergentes após as eleições nos EUA. A estrategista do JPMorgan disse que o cenário positivo beneficiará um amplo grupo de ativos de países em desenvolvimento, não apenas títulos do norte da Ásia e do setor de tecnologia, cujo desempenho tem sido positivo neste ano.

O real, com o segundo pior desempenho entre moedas de países em desenvolvimento neste ano, tem “muito espaço” para se valorizar, segundo Santos. Ela também disse que há valor na China, devido à recuperação econômica, potencial de melhora das relações comerciais e aumento dos fluxos de investidores para ativos do país.

“Esse é um suporte estrutural para que o yuan da China seja uma das moedas de maior valorização na próxima década”, disse Santos.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.