Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.794,28
    -1.268,26 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.192,33
    +377,16 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,57
    -0,04 (-0,06%)
     
  • OURO

    1.753,80
    -2,90 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    47.708,59
    -418,53 (-0,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.209,85
    -23,43 (-1,90%)
     
  • S&P500

    4.473,75
    -6,95 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    34.751,32
    -63,07 (-0,18%)
     
  • FTSE

    7.027,48
    +10,99 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    24.667,85
    -365,36 (-1,46%)
     
  • NIKKEI

    30.323,34
    -188,37 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    15.505,50
    +1,50 (+0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2028
    +0,0068 (+0,11%)
     

Estratégia para precatórios é solução CNJ, de limitar crescimento ao teto, diz Funchal

·1 minuto de leitura
Moedas de um real

BRASÍLIA (Reuters) - O Ministério da Economia considera que a estratégia para resolver o problema dos precatórios no Orçamento de 2022 é apostar em resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que limitaria o crescimento dessa despesa à regra do teto de gastos, indicou nesta terça-feira o secretário especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal.

"A princípio é fazer via CNJ e, se de fato for verificado que é preciso trazer mais segurança, a gente discute a PEC (Proposta de Emenda à Constituição). Mas acho que o principal agora é focar nessa alternativa via CNJ", afirmou ele, em coletiva de imprensa.

Funchal sinalizou que a PEC poderá replicar o modelo proposto na resolução do CNJ se houver o entendimento de que é necessário promover uma mudança na Constituição para disciplinar essa nova sistemática de pagamento das perdas definitivas sofridas pela União na Justiça.

O governo enviou ao Congresso uma PEC para parcelar em dez vezes os precatórios de mais de 66 milhões de reais, estabelecendo também uma limitação provisória dos pagamentos anuais de precatórios a 2,6% da receita corrente líquida.

Mas o Supremo Tribunal Federal (STF) e os presidentes da Câmara e do Senado têm trabalhado para viabilizar, com a benção do ministro da Economia, Paulo Guedes, uma solução alternativa, de limitar o crescimento da conta de precatórios à inflação, seguindo a mesma dinâmica da regra do teto de gastos. A adoção dessa nova forma de pagamento seria implementada por resolução do CNJ.

(Por Marcela Ayres)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos