Mercado fechado

Estratégia do Fed complica mercado de títulos dos EUA

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- Comprar e vender grandes quantidades de títulos públicos dos EUA sem causar grandes oscilações no mercado está mais difícil do que em qualquer outro momento desde o início da pandemia, em março de 2020. A volatilidade aumentou, assim como o número de negociações malsucedidas. Analistas de Wall Street alertam que o fim das compras de títulos pelo banco central americano (Federal Reserve) vai piorar a situação.

Most Read from Bloomberg

Quando os mercados pararam no ano passado, a liquidez na maioria dos instrumentos do Tesouro americano desapareceu, forçando o Fed a anunciar compras gigantescas de ativos e outras medidas para evitar um colapso. Agora o BC dos EUA está reduzindo essas compras, focadas nos títulos do Tesouro menos líquidos, e está prestes a acelerar o processo de saída. Paralelamente, o governo está fazendo menos captações.

“O Tesouro está cortando o valor dos papéis mais líquidos e o Fed está parando de comprar os menos líquidos”, disse John Briggs, estrategista-chefe global para mesas de operações da NatWest Markets. “E o que vemos no mercado de Treasuries em geral é que a liquidez é uma miragem. O Fed ainda é basicamente o único balanço patrimonial de verdade na praça.”

A alta volatilidade nos papéis do Tesouro no mês passado mostrou o que está em jogo. Inflação e pandemia persistentes causam grandes oscilações diárias no rendimento dos papéis, o que indica liquidez escassa e traz à tona memórias de crises passadas.

A liquidez desse mercado tem chamado a atenção desde que o “flash rally” de 2014 ilustrou o rápido sumiço da formação de mercado. O Bank of America, por exemplo, argumenta que o mercado superou sua capacidade de transferir riscos de forma limpa e requer um órgão oficial para intervir como negociador de última instância.

Neste contexto, a redução das compras de títulos pelo Fed causa apreensão. O BC compra principalmente títulos mais antigos, que representam 95% desse mercado de US$ 22 trilhões, mas são negociados com menor frequência. Enquanto isso, leilões cada vez menores diminuem a disponibilidade de papéis desejados e que servem como referência para a maioria dos títulos ao redor do planeta.

A combinação “é um mecanismo para mais episódios de iliquidez e volatilidade”, disse Praveen Korapaty, estrategista-chefe de juros do Goldman Sachs Group. “Se o Fed não estiver presente, outros no mercado estarão menos dispostos a fornecer liquidez aos títulos pouco desejados. E ao mesmo tempo o Tesouro está diminuindo a emissão de papéis desejados.”

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos