Mercado abrirá em 6 h 19 min
  • BOVESPA

    111.289,18
    +1.085,18 (+0,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.037,05
    -67,35 (-0,13%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,63
    -0,72 (-0,82%)
     
  • OURO

    1.813,10
    -16,60 (-0,91%)
     
  • BTC-USD

    35.995,78
    -1.711,69 (-4,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    819,58
    -36,23 (-4,23%)
     
  • S&P500

    4.349,93
    -6,52 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.168,09
    -129,61 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.469,78
    +98,32 (+1,33%)
     
  • HANG SENG

    23.642,88
    -647,02 (-2,66%)
     
  • NIKKEI

    26.088,94
    -922,39 (-3,41%)
     
  • NASDAQ

    13.925,75
    -232,75 (-1,64%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0937
    -0,0127 (-0,21%)
     

Estratégia da Argentina em direção a acordo com FMI atinge muro de incertezas

·2 min de leitura
Ministro da Economía da Argentina, Martín Guzmán

Por Rodrigo Campos

NOVA YORK (Reuters) - A insistência da Argentina em seu plano de gastos deficitários a coloca em rota de colisão com o Fundo Monetário Internacional (FMI), embora analistas prevejam que o país será forçado a mudar de rumo e fechar um acordo de forma a evitar uma crise maior.

O governo argentino e o FMI estão em negociações há mais de um ano. O país sul-americano está tentando evitar um calote com o Fundo, já que 19 bilhões de dólares em pagamentos vencem este ano, parte de uma dívida de 45 bilhões de dólares que precisa ser refinanciada para ajudar a restaurar a credibilidade da Argentina frente aos mercados.

Na semana passada, o ministro das Economia do país, Martín Guzmán, disse que o principal ponto de divergência nas negociações com o FMI é como e com que velocidade a Argentina deve reduzir seu déficit fiscal. Ele apresentou um plano econômico que envolve mais cinco anos de déficits e impressão de dinheiro.

Guzmán disse que a proposta do FMI "deteria a recuperação econômica que a Argentina está tendo", enquanto seu plano "daria continuidade a essa forte recuperação".

O FMI não fez comentários para esta reportagem, mas no mês passado disse que a Argentina precisava reduzir a monetização de seu déficit fiscal e elevar a taxa de juros acima da inflação.

Muitos investidores internacionais reagiram à declaração de Guzmán com decepção.

Sem um forte aumento nos preços agrícolas, "não está claro de onde virá o crescimento sem uma estrutura de política fiscal confiável", disse Stuart Culverhouse, chefe de pesquisa de renda soberana e fixa da Tellimer, em Londres.

Siobhan Morden, diretora-gerente da Amherst Pierpont Securities, descreveu o plano como uma "abordagem afrontosa para insistir em um modelo econômico fracassado".

Um programa com o FMI é amplamente visto como a única opção da Argentina para evitar o colapso econômico. O fracasso em chegar a um acordo desencadearia um calote com o Clube de Paris de credores, que no ano passado insistiu que a Argentina chegasse a um consenso com o FMI como parte de seu próprio acordo de dívida com o país sul-americano.

Mas analistas concordam que um acordo provavelmente acontecerá eventualmente, dado o que está em jogo.

"Primeiro você evita ter um calote com o FMI, o que por si só não desencadearia 'default' nos títulos (soberanos), mas afetaria negativamente a precificação", disse Carlos de Sousa, estrategista de dívida de mercados emergentes da Vontobel Asset, em Zurique.

Um acordo também é o cenário base para Diego Pereira, economista-chefe para Cone Sul e Peru no JPMorgan, em nota a clientes, embora espere que as negociações possam sofrer um impasse temporário nas próximas semanas.

No fim das contas, a dor de qualquer ajuste fiscal que provavelmente será exigido pelo FMI será muito menor do que a turbulência econômica causada por um potencial calote nos empréstimos do Fundo, disse ele.

(Reportagem adicional de Marc Jones e Karin Strohecker em Londres)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos