Mercado abrirá em 3 h 44 min

Estrangeiros tiram R$ 44,8 bi da Bolsa, maior valor da história para um ano -e é só março

JÚLIA MOURA
***ARQUIVO***SÃO PAULO: Painéis de indicadores econômicos na sede da Bovespa, em São Paulo. (Foto: Alessandro Shinoda/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Até dia 4 de março, estrangeiros sacaram R$ 44,8 bilhões da Bolsa de Valores brasileira em 2020. O valor supera o montante retirado em todo o ano de 2019, de R$ 44,5 bilhões, sem contar ofertas de ações (IPOs​ e follow-ons).

A saída também passa a retirada de 2008, maior da série histórica da B3. Em valores corrigidos pela inflação, foram sacados R$ 44,6 bilhões no ano da crise financeira. A velocidade de saída também é recorde, cerca de R$ 1,05 bilhão por pregão, e supera a média diária de 2008.

Considerando IPOs (oferta inicial de ações, na sigla em inglês) e follow-ons (oferta subsequente de ações), o saldo de estrangeiros está negativo em R$ 33,4 bilhões neste ano. Em 2019, considerando essas operações, a saída foi de R$ 4,7 bilhões.

Analistas apontam que a saída de estrangeiros não é exclusividade do Brasil, mas ocorre com mais intensidade e rapidez por aqui devido à importante presença desses investidores no país e à ampla liquidez do mercado brasileiro.

Considerando o volume de compra e venda de ações na Bolsa, os estrangeiros são 45% do total em 2020. Institucionais (bancos e fundos) são 33% e pessoas físicas, 17,6%.

"O fato da economia brasileira patinar reduz a atratividade para estrangeiros. O fluxo de saída está ligado à falta de expectativa de crescimento no Brasil, algo que foi intensificado pelo coronavírus porque, em horas de pânico, investidores conseguem se desfazer de posições aqui", diz Paulo Gala, diretor-geral da Fator Administração de Recursos.​

Neste ano, com o temor de investidores com o impacto econômico do coronavírus e desaceleração da economia global, estrangeiros vendem ativos com maior velocidade em países emergentes em busca de investimentos mais seguros, como o ouro e títulos do Tesouro americano, algo que se reflete na desvalorização de praticamente todas as moedas emergentes, com exceção do renminbi chinês e dólar de Taiwan.

Dentre todas as moedas globais, o real é a que mais se desvaloriza no ano, perdendo 15,5% ante o dólar.

Nesta sexta, após novos leilões do BC de swap cambial no valor de US$ 2 bilhões, a moeda americana caiu 0,4%, a R$ 4,634. O turismo está a R$ 4,81 na venda.

Para segunda (9), o BC anunciou mais US$ 1 bilhão em leilões de swap cambial. A medida aumenta a oferta da moeda no mercado, já que o BC oferece contratos que remuneram o investidor pela variação cambial, o que ajuda a reduzir o preço do dólar.

Já a Bolsa de Valores brasileira teve o segundo pregão seguido de forte queda nesta sexta e fechou abaixo do patamar simbólico de 100 mil pontos pela primeira vez desde outubro. O Ibovespa recuou 4%, a 97.996 pontos, menor patamar desde 27 de agosto de 2019. Na semana, cai 6% e, no ano, 15%.

A queda nesta sessão foi pressionada pela Petrobras, cujas ações despencam com a queda internacional do petróleo. As ordinárias (com direito a voto) caíram 10,25%, a R$ 24. As preferenciais (sem voto), 9,7%, a R$ 22,83.

O contrato futuro do barril do Brent caiu 9%, a US$ 45,46, menor valor desde 2016, depois que Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) e Rússia não entraram em acordo sobre cortes mais profundos na produção de petróleo, para manter o patamar do preço com a queda na demanda em meio a epidemia de coronavírus.

O risco-país do Brasil medido pelo CDS (Credit Default Swap) de cinco anos, um tipo de contrato que funciona como termômetro da confiança dos investidores em relação a economias, subiu 10,7%, a 142,9 pontos, maior patamar desde outubro de 2019, antes da reforma da Previdência ser aprovada no Senado.

Na quinta (5), o CDS brasileiro subiu 14,4%, a maior alta percentual diária desde o chamado Joesley Day, em 18 de maio de 2017, dia em que veio a público a informação de que Joesley Batista gravara conversa com o então presidente Michel Temer (MDB). Na ocasião, o risco-país teve alta de 29%, para 265 pontos.

Se o CDS sobe, é um sinal de que os investidores temem o futuro financeiro do país; se ele cai, o recado é o inverso: sinaliza aumento da confiança em relação à capacidade de o país saldar suas dívidas.

Nesta sexta, o índice de volatilidade VIX, baseado em operações no mercado financeiro americano, foi ao maior patamar da história durante o dia, acima da máxima de 2008, recorde anterior. Ao fim do pregão, o índice reduziu a alta, no maior valor desde 2011, quando a S&P baixou a nota de crédito dos Estados Unidos.

Nos Estados Unidos, Dow Jones caiu 1%, S&P 500, 1,7% e Nasdaq, 1,8%. Enquanto investidores americanos saem de ativos arriscados, como ações, eles buscam títulos do Tesouro, que são mais seguros. O movimento faz o rendimento destes títulos desabarem. Nesta sessão, o rendimento do título do Tesouro americano despencou 16,4% para 0,7623% ao ano, menor patamar da história.

“Estamos vivendo um momento de aversão a risco muito grande. Com a chegada do coronavírus na Itália, nos Estados Unidos e na América do Sul, a coisa complica e estrangeiros retiram recursos de emergentes”, afirma Étore Sanchez, economista-chefe da Ativa Investimentos.

“O surto vem se espalhando e, por aqui, acompanhamos a aversão a risco do mundo inteiro. Somos uma economia emergente e, por isso, se está ruim nas principais Bolsas do mundo, sofremos de maneira mais aguda”, afirma Victor Lima, analista da Toro Investimentos

Ele aponta que, como os dois principais parceiros comerciais do Brasil são China e Estados Unidos, economias afetadas pela doença, podemos ter um impacto maior do que pares emergentes. Fora que, o fraco desempenho da economia local não segura o estrangeiro.

“Se o PIB [Produto Interno Bruto] de 2019 não tivesse sido tão ruim, a saída não seria tão forte”, diz Lima.

A saída de estrangeiros não é só da Bolsa. Segundo dados do Banco Central (BC), o saldo de movimento financeiro no país está negativo em US$ 10,8 bilhões (R$ 50 bilhões) em 2020, pior que aos cinco primeiros meses de 2019.

A Selic na mínima histórica também contribui para a evasão de dólares do país. Isso porque estrangeiros vinham ao país pela vantagem do carry trade, prática de investimento em que o ganho está na diferença do câmbio e do juros. Nela, o investidor toma dinheiro a uma taxa de juros menor em um país, no caso, os EUA, para aplicá-lo em outro, com outra moeda, onde o juro é maior, o Brasil. Com a Selic a 4,25%, essa operação deixa de ser vantajosa e estrangeiros retiram seus recursos, em dólar, do país.

“A saída de estrangeiros do país vem desde 2019, a queda da Selic expulsou quem estava interessado no curto prazo e com a expectativa do BC cortar juros no dia 18 acelerou a saída de capital”, afirma Paulo Gala, da Fator Administração de Recursos.​

A evasão de dólares da Bolsa e de demais investimentos contribui para uma cotação do dólar mais elevada. Na quinta (5), a moeda americana bateu novo recorde nominal, a R$ 4,653.

“A aprovação da Previdência já não mexeu muito com o investidor e, agora, o Congresso está parando. Fora que o mercado de trabalho está melhorando lentamente com criação de vagas ruins e há muita ociosidade no comércio e na indústria”, diz Gala.

O Congresso e o governo de Jair Bolsonaro viveram uma nova crise em torno do Orçamento impositivo, o que pode afetar o andamento das reformas administrativa e tributária. Apesar de acordo sobre o tema, o presidente incentivou ​ato marcado para o dia 15, que prega bandeiras contrárias ao Congresso e em defesa de militares e do atual governo. Fora que, com eleições municipais, a intensidade do Legislativo deve ser reduzida.

Na quarta (4), foi divulgado o PIB de 2019, que cresceu 1,1%, abaixo da previsão inicial da equipe econômica de Paulo Guedes.