Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.431,29
    +292,67 (+1,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Estrangeiro tem maior pessimismo contra real em um ano

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- Os investidores estrangeiros elevaram as apostas contra o real ao maior nível em mais de um ano, diante do aumento da incerteza sobre a trajetória das contas públicas e da deterioração da demanda global por ativos de risco.

Os não-residentes agora carregam posição comprada em dólar de US$ 32,1 bilhões, segundo dados da B3 sobre derivativos cambiais compilados pela Bloomberg. É a maior exposição à moeda americana dos agentes internacionais desde abril de 2021, quando o Banco Central ainda iniciava o ciclo de alta de juros. No fim de maio, a posição estava em US$ 25,8 bilhões.

Nas últimas semanas, a piora do humor global penalizou o real, ao passo que a mudança de plano de voo do Federal Reserve, que sinalizou um ciclo mais forte de aperto monetário, engatilhou uma liquidação dos ativos de risco. Como resultado, o dólar se fortaleceu e passou a operar acima de R$ 5,10.

Incertezas domésticas reforçaram a dinâmica. A percepção de risco fiscal se deteriorou, a princípio, com as medidas anunciadas pelo governo para limitar a cobrança de impostos sobre os combustíveis. O avanço da classe política sobre a Petrobras após o anúncio de novo reajuste também levantou dúvidas sobre a política de preços da companhia, a cerca de 100 dias das eleições presidenciais. Agora, integrantes do governo e Congresso pressionam por ampliar gastos extrateto para R$ 50 bilhões, segundo fontes.

“O exterior ‘fez preço’, mas a parte doméstica idiossincrática tem pesado bastante”, diz o chefe de pesquisa econômica para América Latina do Goldman Sachs, Alberto Ramos. Segundo ele, a aposta pessimista do estrangeiro também reflete um ambiente macroeconômico de crescimento modesto da economia brasileira e inflação de dois dígitos.

“Há ainda um cenário de implementação de políticas instável, como a questão fiscal, a Petrobras e o populismo de medidas antes da eleição pelo Congresso e o governo”, diz Ramos.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos