Mercado fechado

'Estou bem calminho', diz empresário da Cosan sobre queda do petróleo

JOANA CUNHA
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, BRASIL, 03-09-2014 - O empresário Rubens Ometto, durante concerto para a celebração dos 90 anos do

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Diante do pânico dos mercados nesta segunda-feira (9), o empresário Rubens Ometto, presidente do conselho de administração da Cosan, disse que está "bem calminho" e que o momento requer tranquilidade.

À reportagem, Ometto afirmou que está atento para o que vai acontecer, porque, neste momento, qualquer opinião é chute, segundo ele.

"Hoje, o negócio de combustível verde já está com todo mundo. É claro que não afeta só a gente, afeta também a Petrobras, tudo. A nossa empresa em particular tem defesas já feitas, hedge. Mas vai ter que se estudar uma saída, porque isso afeta o preço do etanol, se a gasolina cair nesses níveis. E, assim, todo mundo vai fazer mais açúcar. Agora, o etanol tem tido um bom sucesso na exportação. Com esse câmbio, o açúcar brasileiro fica mais competitivo", analisou.

A despeito da preocupação do setor de que a queda nos preços do petróleo possa prejudicar o mercado de etanol, Ometto disse ver oportunidades. "Muita coisa começa a ficar barata no mercado, mas vamos ver o que vai acontecer."

"O shale gás e a gasolina, dos Estados Unidos, o pessoal para de produzir porque não conseguem produzir neste nível de preço, diminui a oferta. E diminuindo a oferta, o preço sobe de novo. Já vimos esse filme várias vezes", afirmou o empresário.

Ometto avaliou que, no negócio de etanol, os estoques são suficientes até o começo da safra. "Tem mais dois ou três meses de consumo garantido, até que em um mês, dois meses, eles se assentem", disse. "Vamos esperar que os russos e os sauditas entrem em acordo", afirmou Ometto.