Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.440,79
    -107,53 (-0,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Estoques empresariais nos EUA aumentam com força em junho

Galpão de estoque em Glenview, Illinois (EUA)

WASHINGTON (Reuters) - Os estoques empresariais dos Estados Unidos aumentaram com força em junho, em meio a sinais de um grande acúmulo no setor de varejo apesar da recuperação das vendas.

Os estoques empresariais subiram 1,4% após avançarem 1,6% em maio, informou o Departamento de Comércio nesta quarta-feira. Os estoques são um componente importante do Produto Interno Bruto. O aumento de junho ficou em linha com as expectativas dos economistas.

Os estoques aumentaram 18,5% em junho na comparação com o mesmo mês do ano anterior.

Os estoques do varejo cresceram 2,0% em junho, conforme estimativa em relatório publicado no mês passado. Isso se seguiu a um ganho de 1,6% em maio. Os estoques de veículos aumentaram 3,3% em vez dos 3,1% estimados no mês passado, depois de alta de 2,4% em maio.

Os estoques do varejo excluindo automóveis, que entram no cálculo do PIB, aumentaram 1,5%, contra 1,6% estimado no mês passado.

Os estoques empresariais aumentaram a um ritmo forte no primeiro trimestre, à medida que os gastos do consumidor diminuíram. O excesso de estoque, principalmente no varejo, deixou as empresas com pouco apetite para continuar a reestocar, o que pesou no PIB do segundo trimestre.

(Reportagem de Lucia Mutikani)