Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.925,27
    +17,34 (+0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Estoques compensam consumo fraco e contribuem para alta no PIB

·3 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O aumento de estoques contribuiu para a alta do PIB e compensou a fragilidade de indicadores como o consumo das famílias no primeiro trimestre. Sem esse acúmulo de bens, em setores como agropecuária e indústria, a economia poderia até ter recuado no período, indicam projeções de analistas.

De acordo com o IBGE, o PIB teve alta de 1,2% entre janeiro e março ante os três últimos meses de 2020.

O impacto dos estoques no avanço do PIB, em termos percentuais, não é calculado pelo IBGE, mas analistas estimam o efeito com base em dados de oferta e demanda que compõem o levantamento.

Em relatório, Alberto Ramos, diretor do departamento de pesquisa econômica do Goldman Sachs para a América Latina, indicou que os estoques geraram acréscimo de 1,48 ponto percentual ao PIB entre janeiro e março, na comparação com os últimos três meses do ano passado.

Por isso, Ramos aponta que, "sem a grande contribuição dos estoques, o PIB não teria crescido no trimestre".

Estoques costumam ser reforçados no começo do ano com o impacto da agropecuária, que foi beneficiada por nova safra recorde de soja. Segundo analistas, a recomposição também sinaliza que indústrias podem estar enfrentando menos obstáculos para obtenção de insumos do que no começo da pandemia. Com o início da crise sanitária, houve parada de fábricas em diferentes países, o que desalinhou cadeias produtivas diversas.

Pesquisa da CNI (Confederação Nacional da Indústria) mostra avanço no estoque das fábricas nos últimos meses, após o setor registrar níveis considerados críticos em setembro e outubro de 2020. Segundo a entidade, os estoques efetivos chegaram, em abril, a patamar próximo daquele planejado por empresários.

"Sabemos que o problema de insumos ainda persiste em alguns setores. No começo da pandemia, foi necessário trabalhar com níveis mais baixos de estoque. Quando a recuperação da economia teve início, todo o mundo foi pego no contrapé. Virou uma bola de neve, e é necessário tempo para o ajuste", aponta o gerente de análise econômica da CNI, Marcelo Azevedo.

Cálculo do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) também aponta recomposição de estoques no primeiro trimestre. Esse avanço, segundo a instituição, acrescentou 1,3 ponto porcentual ao desempenho do PIB, sob a ótica da demanda, ante o mesmo período do ano anterior. Nesse tipo de comparação, o PIB teve avanço de 1%, conforme o IBGE.

"Pode haver falta de estoque em setores específicos, mas parece que a situação melhorou em linhas gerais", relata o diretor de estudos e políticas macroeconômicas do Ipea, José Ronaldo Souza Júnior.

Na avaliação do economista Rafael Cagnin, do Iedi (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial), a recomposição de estoques traz quadro "mais confortável" para fábricas. Por outro lado, a própria fragilidade do consumo pode ter feito com que os bens em reserva ficassem em níveis mais elevados em alguns casos. "Uma parte pode ter sido recomposta porque a demanda vem fraquejando."

Segundo o IBGE, o consumo das famílias perdeu fôlego no primeiro trimestre. O indicador recuou 0,1% em relação aos três últimos meses de 2020