Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.867,62
    +338,65 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,09
    -1,58 (-2,52%)
     
  • OURO

    1.794,30
    +15,90 (+0,89%)
     
  • BTC-USD

    54.947,49
    -1.539,37 (-2,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.266,88
    +3,91 (+0,31%)
     
  • S&P500

    4.173,42
    +38,48 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    34.137,31
    +316,01 (+0,93%)
     
  • FTSE

    6.895,29
    +35,42 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.891,25
    +97,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7009
    -0,0016 (-0,02%)
     

Estoque total de crédito no Brasil cresce 0,7% em fevereiro, diz BC

·1 minuto de leitura
Estoque total de crédito no Brasil cresce 0,7% em fevereiro, diz BC

SÃO PAULO (Reuters) - O estoque total de crédito no Brasil cresceu 0,7% em fevereiro na comparação com janeiro, para 4,047 trilhões de reais, equivalente a 54,0% do Produto Interno Bruto, informou o Banco Central nesta quinta-feira.

A alta foi mais uma vez puxada pelo avanço no segmento do crédito livre, em que as taxas são pactuadas sem a interferência do governo, que cresceu 0,9% no mês, para 2,337 trilhões de reais. No crédito direcionado, o crescimento foi mais modesto, de 0,4%, para 1,710 trilhão de reais.

O crédito livre às empresas teve alta de 1,2% em fevereiro, com destaque para as modalidades de desconto de duplicatas e recebíveis, antecipação de faturas de cartão, aquisição de veículos, ACC e financiamento a exportações, segundo o BC.

A inadimplência no segmento de recursos livres permaneceu em 2,9% pelo terceiro mês seguido em fevereiro. Já o spread bancário no mesmo segmento foi a 22,9 pontos percentuais, de 23,5 pontos no mês anterior.

Em 12 meses, o crédito acumula alta de 16,1%, refletindo um crescimento de 22,9% do crédito às empresas e de 11,3% do crédito às pessoas físicas.

No ano passado, as concessões foram turbinadas por uma série de programas de estímulo ao crédito do governo no bojo das medidas de enfrentamento à crise da pandemia. Para 2021, o BC prevê uma desaceleração do crédito, com a expectativa de um crescimento de 8% no ano, em projeção que não contempla extensão ou criação de novos programas de crédito.

(Por Isabel Versiani)