Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    44.754,18
    -2.614,80 (-5,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Estoque de restos a pagar tem alta real de 20,3% em 2021 afetado por pandemia, diz Tesouro

Isabel Versiani
·2 minuto de leitura
Estoque de restos a pagar tem alta real de 20,3% em 2021 afetado por pandemia

Por Isabel Versiani

(Reuters) - O estoque dos chamados restos a pagar inscritos para 2021 somou 227,8 bilhões de reais, uma alta real de 20,3% sobre o ano anterior, informou o Tesouro Nacional nesta segunda-feira, destacando que o aumento foi impactado por despesas e repasses relacionados ao enfrentamento da pandemia da Covid-19.

Os restos a pagar correspondem a despesas com bens ou serviços que tiveram orçamento reservado para pagamento futuro (empenho), mas ainda não foram efetivamente pagas, influenciando o resultado primário do governo.

Segundo o Tesouro, do total de 46,6 bilhões de reais de aumento dos restos a pagar, 16,1 bilhões de reais dizem respeito a despesas federais com combate aos efeitos da pandemia e outros 16 bilhões de reais correspondem a transferências a Estados e municípios, também afetadas por medidas para enfrentar a crise da Covid-19.

Dos restos a pagar relacionados a ações de enfrentamento à crise, 13,6 bilhões de reais são decorrentes de créditos extraordinários e, segundo o Ministério da Economia, não contam para efeitos de cumprimento da regra do teto de gastos, que limita o crescimento anual das despesas públicas.

"Considerando as reaberturas de crédito extraordinário, os gastos previstos para 2021 no combate à Covid-19 totalizam 37,7 bilhões de reais e correspondem a cerca de 6,2% do orçamento de 604,7 bilhões de reais previsto em 2020 para esse fim", disse o Tesouro em nota.

Cerca de 8 bilhões de reais dos restos a pagar dizem respeito a pagamentos do programa BEM, feitos a trabalhadores que tiveram seus contratos suspensos ou reduzidos em meio à pandemia. Outros 2,3 bilhões de reais são do auxílio emergencial.

O governo já anunciou que esses programas seriam encerrados em 2020, mas que parte dos pagamentos devidos em dezembro seria paga em janeiro.