Mercado abrirá em 9 h 20 min
  • BOVESPA

    111.289,18
    +1.085,18 (+0,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.037,05
    -67,35 (-0,13%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,62
    -0,73 (-0,84%)
     
  • OURO

    1.816,00
    -13,70 (-0,75%)
     
  • BTC-USD

    35.801,53
    -1.152,25 (-3,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    813,95
    -41,87 (-4,89%)
     
  • S&P500

    4.349,93
    -6,52 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.168,09
    -129,61 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.469,78
    +98,32 (+1,33%)
     
  • HANG SENG

    23.756,53
    -533,37 (-2,20%)
     
  • NIKKEI

    26.339,36
    -671,97 (-2,49%)
     
  • NASDAQ

    13.907,00
    -251,50 (-1,78%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0987
    -0,0077 (-0,13%)
     

Taxa média de juros cobrada pelos bancos em novembro foi a mais alta em dois anos

·2 min de leitura
Pessoas caminham por rua de comércio popular em São Paulo

Por Bernardo Caram

BRASÍLIA (Reuters) - A taxa média de juros cobrada do sistema financeiro no Brasil para empréstimos voltou a subir em novembro, acompanhando o aperto monetário promovido pelo Banco Central este ano para controlar o aumento da inflação.

A taxa subiu 1,46 ponto percentual ante outubro, alcançando 34,14% ao ano, o maior patamar desde novembro de 2019, quando estava em 35,55%. Somente em 2021,a taxa média das operações de crédito acumula uma alta de 8,6 pontos percentuais, informou o Banco Central nesta terça-feira.

Os dados referem-se ao segmento de recursos livres, em que o custo dos financiamentos é livremente estabelecido pelas instituições financeiras, sem interferência do governo.

A taxa Selic, que iniciou o ano no patamar mínimo histórico de 2% ao ano, subiu 7,25 pontos percentuais ao longo de 2021, atingindo 9,25% no último encontro do Comitê de Política Monetária. O colegiado já indicou que deve promover uma nova elevação de 1,5 ponto na taxa na reunião de fevereiro.

Apesar da elevação das taxas, o nível de inadimplência permanece praticamente estável, passando de 3,0% em outubro para 3,1% em novembro. Nos onze primeiros meses do ano, a alta total foi de 0,2 ponto percentual.

Em novembro, também houve elevação no spread bancário, a diferença entre o custo de captação de recursos pelas instituições financeiras e o que elas cobram dos clientes na concessão do crédito.

O patamar do spread nas operações com recursos livres ficou em 23,4 pontos percentuais no mês, contra 22,9 pontos em outubro. No ano, a alta acumulada é de 2,5 pontos.

Olhando para as pessoas físicas, o BC afirmou que o destaque na subida dos juros médios sobre o mês anterior foi para os financiamentos para compra de veículos (+2,7 pontos) e cartão de crédito rotativo (+2,6 pontos).

No acumulado do ano, as maiores elevações foram no parcelado do cartão de crédito (+18,6 pontos), no rotativo do cartão (+18,3 pontos) e no cheque especial (+14,0 pontos).

A taxa do rotativo do cartão de crédito encerrou o mês em 346,12% ao ano, maior patamar desde agosto de 2017, quando ficou em 392,29% ao ano.

CRESCIMENTO DO ESTOQUE

Apesar da elevação de custos, o estoque de crédito no Brasil manteve trajetória de elevação. O volume total subiu 1,8% em novembro sobre outubro, a 4,575 trilhões de reais, correspondente a 53,2% do Produto Interno Bruto (PIB).

No acumulado do ano, o estoque de crédito no país subiu 13,8% e, em 12 meses, 15,6%.

No segmento de recursos livres, a alta foi de 2,4% em novembro e 16,6% no ano, enquanto no segmento de recursos direcionados o aumento foi de 0,8% e 9,9%, respectivamente.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos