Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.420,07
    +720,01 (+3,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Empréstimos bancários crescem em abril mesmo com aperto monetário; juros sobem

Moedas de real

Por Bernardo Caram

BRASÍLIA (Reuters) -O volume de concessões de empréstimos e o estoque total de crédito cresceram no país em abril, mesmo diante do já avançado ciclo de aperto monetário para conter a inflação, mostram dados do Banco Central apresentados nesta quarta-feira, embora as taxas de juros cobradas pelas instituições financeiras tenham subido.

O estoque total de crédito no Brasil subiu 0,8% em abril sobre março, a 4,816 trilhões de reais. O montante corresponde a 53,7% do Produto Interno Bruto (PIB), ligeiramente abaixo dos 53,9% observados em março, mas acima dos 52,6% de abril de 2021.

No mês, houve crescimento de 3,8% nas concessões médias, a 24,2 bilhões de reais, acumulando uma alta de 22,8% em 12 meses.

No recorte por tipo de tomador dos empréstimos, o saldo de crédito a pessoas físicas subiu 1,8% no mês e 25,6% em 12 meses. Para as pessoas jurídicas, o crescimento foi menor, de 1,0% em abril e 16,8% em 12 meses.

O chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central, Fernando Rocha, avaliou que a ampliação do crédito é reflexo da retomada da atividade econômica após o arrefecimento da pandemia de Covid-19 e a consequente redução do desemprego.

No mês, a inadimplência no segmento de recursos livres ficou em 3,5%, ante 3,4% em março --estava em 2,9% em abril de 2021. Segundo Rocha, essa taxa está subindo, mas ainda é considerada baixa.

CRÉDITO MAIS CARO

De acordo com os dados da autarquia, a taxa média de juros cobrada pelos bancos manteve o ritmo de alta, acompanhando as elevações da Selic pelo BC, e subiu 1,0 ponto percentual em abril sobre o mês anterior, a 27,7% ao ano --em abril de 2021, estava em 20,4%.

Quando considerado apenas o crédito livre, em que as taxas são pactuadas livremente entre bancos e tomadores, os juros subiram 0,7 ponto, para 38,1%. Nos recursos direcionados, que atendem a parâmetros estabelecidos pelo governo, houve alta de 1,1 ponto, a 11,1%.

Os juros cobrados no rotativo do cartão de crédito subiram 4,9 pontos percentuais no mês, atingindo 364% ao ano. No cheque especial, a taxa também teve alta de 4,9 pontos, indo a 132,7% ao ano.

Também houve alta no spread, a diferença entre o custo de captação de recursos pelos bancos e o valor cobrado na liberação dos financiamentos. A alta foi de 0,6 na média total (a 17,6 pontos percentuais), 0,6 em recursos livres (26,4 pontos) e 0,3 nos direcionados (3,6 pontos).

A apresentação dos dados de abril originalmente ocorreria no fim de maio, mas as divulgações pelo BC seguem atrasadas mesmo após o fim da greve de servidores do órgão. Dados de março também foram atualizados nesta quarta.

(Por Bernardo CaramEdição de Camila Moreira e Isabel Versiani)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos