Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.971,57
    -58,29 (-0,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Estoque de crédito no Brasil sobe 2,2% em setembro e mostra vigor mesmo com juros altos

Banco Central do Brasil

Por Bernardo Caram

BRASÍLIA (Reuters) - O estoque total de crédito no Brasil subiu 2,2% em setembro sobre agosto, a 5,177 trilhões de reais, correspondente a 55,0% do Produto Interno Bruto (PIB), divulgou o Banco Central nesta quinta-feira, mostrando vigor nas concessões de empréstimos mesmo diante do forte aperto monetário implementado para segurar a inflação.

Nos últimos 12 meses, o saldo total de crédito acumula uma elevação de 16,8%, de acordo com os dados da autoridade monetária.

No recorte por tipo de tomador dos empréstimos, o saldo de crédito a pessoas físicas subiu 1,9% no mês passado e 20,3% em 12 meses. Para as pessoas jurídicas, o crescimento foi de 2,6% em setembro e 12,0% em 12 meses.

Na tentativa de controlar a inflação no país, o Banco Central colocou em prática um agressivo ciclo de alta da taxa básica de juros, que só foi interrompido em setembro, com a Selic a 13,75% ao ano. Nesta quarta-feira, o Copom optou por deixar a Selic no mesmo patamar.

No mês passado, os juros cobrados pelas instituições financeiras no crédito livre, em que as taxas são pactuadas livremente entre bancos e tomadores, ficaram em 40,4%, um ligeiro recuo de 0,2 ponto percentual no mês --houve crescimento de 9,9 pontos em 12 meses.

Nos recursos direcionados, que atendem a parâmetros estabelecidos pelo governo, houve alta de 0,2 ponto no mês, a 10,4%, com elevação de 2,4 pontos em 12 meses.

O spread bancário, diferença entre o custo de captação das instituições e o valor cobrado nos empréstimos ao público, ficou em 28,3 pontos percentuais no crédito livre, mesmo patamar observado no mês anterior --em agosto de 2021 estava em 21,5 pontos.

No mês passado, a inadimplência no segmento de recursos livres ficou em 4,0%, ante 3,9% em agosto.

(Por Bernardo Caram)