Mercado abrirá em 44 mins
  • BOVESPA

    112.291,59
    +413,06 (+0,37%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.934,21
    +259,38 (+0,59%)
     
  • PETROLEO CRU

    46,31
    +0,67 (+1,47%)
     
  • OURO

    1.843,20
    +2,10 (+0,11%)
     
  • BTC-USD

    19.047,86
    -209,72 (-1,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    374,32
    -0,09 (-0,02%)
     
  • S&P500

    3.666,72
    -2,29 (-0,06%)
     
  • DOW JONES

    29.969,52
    +85,73 (+0,29%)
     
  • FTSE

    6.547,64
    +57,37 (+0,88%)
     
  • HANG SENG

    26.835,92
    +107,42 (+0,40%)
     
  • NIKKEI

    26.751,24
    -58,13 (-0,22%)
     
  • NASDAQ

    12.509,75
    +47,50 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2513
    +0,0153 (+0,25%)
     

Inadimplência tem mínima recorde em setembro e provisões de bancos públicos vão a menor nível do ano

Por Marcela Ayres
·3 minuto de leitura
.
.

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - A inadimplência no segmento de recursos livres, em que as taxas de juros são livremente definidas pelas instituições financeiras, voltou a cair em setembro e renovou a mínima histórica.

De acordo com os dados do Banco Central divulgados nesta segunda-feira, a taxa de inadimplência chegou a 3,1% no mês passado, de 3,3% em agosto, menor nível da série iniciada em março de 2011.

Em meio a esse cenário, os bancos públicos reduziram seu nível de provisionamento ao menor patamar registrado neste ano.

O movimento de queda da inadimplência tem ocorrido desde junho a despeito dos temores associados à incapacidade de pagamento de empresas e famílias por conta da crise imposta pela pandemia de coronavírus.

No acumulado do ano, o recuo da inadimplência é de 0,6 ponto percentual.

O próprio BC já tinha admitido em meses anteriores que alguns fatores poderiam estar contribuindo para essa queda, como renegociações e repactuações dos financiamentos e a possibilidade de postergação de parcelas instituída por bancos.

A concessão do auxílio emergencial também tem provido forte recomposição de renda aos brasileiros --de abril a agosto o programa concedeu um benefício de 600 reais a informais e vulneráveis. Para o período de setembro a dezembro, o valor mensal será de 300 reais. No total, a perspectiva do governo é gastar 321,8 bilhões de reais com a iniciativa.

Em seu Relatório de Estabilidade Financeira publicado neste mês, contudo, o BC alertou que o adiamento do pagamento de dívidas teve êxito em aliviar a liquidez de curto prazo dos clientes bancários e em preservar a solvência das instituições financeiras, mas pode ter postergado a materialização do risco de crédito.

Segundo os dados do BC, os bancos públicos diminuíram seu provisionamento a 5,6% em setembro, ante 5,7% em agosto e ao patamar mais baixo do ano.

Bancos privados nacionais reduziram o nível de provisão para perdas a 8,5%, sobre 8,7% no mês anterior, mas ainda acima dos níveis pré-pandemia (8,1% em fevereiro). Já as instituições financeiras estrangeiras mantiveram o índice estável em 5,3%, contra 4,9% em fevereiro.

CUSTO CRÉDITO

Em relação ao custo dos financiamentos no país, os juros médios caíram a 25,7% ao ano em setembro, contra 26,5% no mês anterior, dado que considera apenas o segmento de recursos livres.

O spread, que mede a diferença entre a taxa de captação dos bancos e a cobrada a seus clientes, teve retração de 1 ponto no mesmo período, a 21,1 pontos percentuais.

O estoque total de crédito no país, incluindo também o crédito direcionado, subiu 1,9% em setembro sobre agosto, a 3,810 trilhões de reais, passando a 52,8% do Produto Interno Bruto (PIB).

No acumulado dos nove primeiros meses do ano, a alta do crédito geral no país foi de 9,5% e em 12 meses de 13,1%.

Para 2020, o BC revisou para cima sua projeção de crescimento do crédito a 11,5%, de 7,6% antes, principalmente pela demanda acentuada de crédito das empresas em meio à pandemia de Covid-19, atendida tanto pela expansão do crédito livre como pelo crédito direcionado.