Mercado abrirá em 2 h 15 min
  • BOVESPA

    106.927,79
    +1.397,79 (+1,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.744,92
    -185,48 (-0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,97
    +0,15 (+0,18%)
     
  • OURO

    1.820,60
    +4,10 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    42.864,52
    -240,34 (-0,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.030,04
    +4,31 (+0,42%)
     
  • S&P500

    4.662,85
    +3,82 (+0,08%)
     
  • DOW JONES

    35.911,81
    -201,79 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.598,57
    +55,62 (+0,74%)
     
  • HANG SENG

    24.218,03
    -165,29 (-0,68%)
     
  • NIKKEI

    28.333,52
    +209,24 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    15.615,50
    +19,75 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3156
    -0,0018 (-0,03%)
     

Quem é Esther Duflo, a mais jovem vencedora do Nobel de Economia

Foto de 8 de janeiro de 2009 de Esther Duflo

A franco-americana Esther Duflo, a segunda mulher na história a ganhar o Prêmio Nobel de Economia, firmou-se nos últimos anos como uma daas economistas mais brilhantes de sua geração.

SIGA O YAHOO FINANÇAS NO INSTAGRAM

INSTALE O APP DO YAHOO FINANÇAS (ANDROID / iOS)

Esther Duflo é a segunda mulher na história a ganhar o Nobel de Economia, depois da americana Ellinor Ostrom em 2009, e também a mais jovem, com 46 anos.

Leia também

Ela compartilhou o prêmio com dois homens, o americano nascido na Índia, Abhijit Banerjee, que é seu marido, e o americano Michael Kremer.

Seus trabalhos, realizados essencialmente na Índia, concentram-se na redução da pobreza.

Em sua carreira, ganhou muitos prêmios, incluindo a medalha John Bates Clark em 2010, que recompensa os trabalhos de economistas nos Estados Unidos com menos de 40 anos.

Em 2013, a Casa Branca a escolheu para assessorar o presidente Barack Obama em temas de desenvolvimento e foi parte do novo Comitê para o Desenvolvimento Mundial.

Acaso e trabalho de campo

"É uma intelectual francesa de centro-esquerda que acredita na redistribuição e na noção otimista de que amanhã poderá ser melhor que hoje", escreveu a New Yorker sobre ela em 2010, em uma edição dedicada a inovadores da atualidade.

Nascida em Paris em 1972, cresceu em uma família protestante, com uma mãe pediatra, muito envolvida em obras humanitárias, e um pai professor de matemática.

Graduada na Ecole Normale Supérieure e na Ecole des Hautes Études em Sciences Sociales (EHESS) na França, também tem um doutorado do Massachusetts Institute of Technology (MIT) nos Estados Unidos, onde é professora.

No laboratório de Pesquisa Abdul Latif Jameel sobre a pobreza, que co-fundou em 2003, faz trabalhos de campo, em colaboração com organizações não governamentais (ONGs).

Por exemplo, "se é estabelecido um novo programa de tutoria nas escolas, são escolhidas 200 escolas ao acaso, 100 das quais o programa será estabelecido e as outras 100 não", explicou à AFP em 2010, quando recebeu a medalha John Bates Clark.

O avanço dos estudantes é comparado e avaliado em ambos os casos, e os resultados dessa pesquisa são encaminhados às autoridades públicas e a organizações beneficentes como a Fundação Bill e Melinda Gates para que sejam "ampliados", apontou.

'Caricaturas e clichês'

Seu livro "Repenser la pauvreté" (Repensar a pobreza), escrito em colaboração com Abhijit Banerjee, recebeu o prêmio Financial Times/Goldman Sachs ao Livro Econômico do Ano de 2011.

"Nossa visão da pobreza está dominada por caricaturas e clichês", disse em uma entrevista com a AFP em 2017.

"Se quisermos entender os problemas associados à pobreza, devemos ir além dessas caricaturas e entender por que o fato de ser pobre muda algumas coisas no comportamento e outras não".

Para ela, esse esforço para mudar a percepção da pobreza também precisa ser aplicado à economia e aos economistas.

"Os economistas têm uma reputação muito ruim e parte dessa má reputação se justifica provavelmente pela forma como a disciplina funciona", explicou no começo de 2019 em uma entrevista ao France Inter.

"Quando você é economista, as pessoas acham que você está interessado nas finanças ou que você trabalha para os ricos, mas isso não é necessariamente o caso".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos