Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.927,60
    -2,40 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    23.411,78
    +398,61 (+1,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Esteves Colnago pede demissão do Tesouro

Esteves Colnago, secretário especial do Tesouro e Orçamento, fala à imprensa na embaixada do Brasil em Madri

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - O secretário especial do Tesouro e Orçamento, Esteves Colnago, pediu demissão um mês antes do fim do governo do presidente Jair Bolsonaro, informou o Ministério da Economia nesta sexta-feira.

Segundo a pasta, o atual secretário especial adjunto do Tesouro e Orçamento, Julio Alexandre, atuará como substituto até o fim deste ano.

Colnago substituiu Bruno Funchal no posto em outubro do ano passado. Seu antecessor havia deixado o cargo por discordâncias em relação à proposta da governo para alterar a Constituição para abertura de espaço orçamentário para aumento do Auxílio Brasil.

Já sob a gestão Colnago, o governo apoiou outra mudança constitucional para elevar o valor do benefício concedido através do programa antes das eleições presidenciais deste ano.

Colnago foi ministro do Planejamento do governo do ex-presidente Michel Temer e permaneceu na equipe econômica após a posse de Bolsonaro, atuando como chefe da Assessoria Especial de Relações Institucionais.

Segundo duas fontes do ministério, sua saída foi por motivos pessoais e não surpreendeu.

Uma das fontes acrescentou que o secretário recebeu convites para trabalhar no setor privado e que vai cumprir o período de quarentena a partir de agora.

A informação sobre o pedido de demissão foi publicada primeiramente pelo jornal Folha de S.Paulo.