Mercado fechará em 1 h 54 min
  • BOVESPA

    108.341,69
    +1.674,03 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.746,82
    -485,38 (-0,91%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,89
    +2,46 (+2,88%)
     
  • OURO

    1.840,90
    +28,50 (+1,57%)
     
  • BTC-USD

    42.150,98
    +509,44 (+1,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    999,60
    +4,85 (+0,49%)
     
  • S&P500

    4.586,66
    +9,55 (+0,21%)
     
  • DOW JONES

    35.455,03
    +86,56 (+0,24%)
     
  • FTSE

    7.589,66
    +26,11 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    24.127,85
    +15,07 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    27.467,23
    -790,02 (-2,80%)
     
  • NASDAQ

    15.197,50
    -8,50 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2010
    -0,1061 (-1,68%)
     

Estes são os 3 melhores livros de economia de 2021, segundo o Financial Times

·2 min de leitura

Para quem quer ler sobre economia, uma boa ideia é considerar os livros indicados pelo Financial Times como os melhores títulos de economia de 2021. A seleção é de Martin Wolf, comentarista-chefe da publicação.

As obras tratam de transformações tecnológicas de finanças, economia comportamental, atuação de governos e instituições, criptomoedas e mais. Acompanhe a seguir!

Primeiro lugar entre os melhores livros de economia em 2021

Primeiro colocado entre os melhores livros de economia de 2021 aborda transformações na economia (Imagem: Reprodução/Belknap Press)
Primeiro colocado entre os melhores livros de economia de 2021 aborda transformações na economia (Imagem: Reprodução/Belknap Press)

The Future of Money: How the Digital Revolution Is Transforming Currencies and Finance ("O futuro do dinheiro: como a revolução digital está transformando moedas e finanças", em tradução livre), de Eswar S. Prasad. A tecnologia transformou todos os segmentos. Prasad, economista indiano, conquistou o primeiro lugar da lista do Financial Times ao falar sobre como a revolução digital afeta as finanças.

Prasad aborda o fim do dinheiro físico, a ascensão das criptomoedas, as iniciativas de criação das moedas digitais de bancos centrais (CBDCs) e a atuação de grandes corporações como Facebook e Amazon no setor.

No contexto brasileiro, uma opção é “O futuro do dinheiro: banco digital, fintechs e criptomoedas”, de Rudá Pellini. Ele entrevista especialistas brasileiros e compõe um material de fácil leitura, com dicas práticas para investir melhor nesse contexto.

Segundo lugar entre os melhores livros de economia em 2021

Segundo colocado entre os melhores livros de economia de 2021 destaca a necessidade de resiliência (Imagem: Reprodução/Endeavor Literary Press)
Segundo colocado entre os melhores livros de economia de 2021 destaca a necessidade de resiliência (Imagem: Reprodução/Endeavor Literary Press)

The Resilient Society ("A sociedade resiliente"), de Markus K. Brunnermeier. Ele é economista da universidade de Princeton, aborda a crise financeira global ocasionada pela pandemia. Segundo Brunnermeier, a “resiliência pode servir como estrela-guia para uma sociedade pós-covid”, já que uma sociedade resiliente é capaz de reagir a choques como esse e se recuperar.

O título pode ser um guia de como indivíduos, instituições e países devem lidar com uma economia globalizada cheia de riscos desconhecidos. São aplicados conceitos de macroeconomia em temas como saúde pública, inovação, mudanças climáticas, desigualdade e inflação.

Terceiro lugar entre os melhores livros de economia em 2021

Terceiro colocado entre os melhores livros de economia de 2021 critica atuação de economistas e mostra oportunidades (Imagem: Reprodução/Princeton University Press)
Terceiro colocado entre os melhores livros de economia de 2021 critica atuação de economistas e mostra oportunidades (Imagem: Reprodução/Princeton University Press)

Cogs and Monsters: What Economics Is, and What It Should Be ("Engrenagens e monstros: o que é economia e o que deveria ser"), de Diane Coyle. Ela é comentarista econômica da Universidade de Cambridge, critica a economia e seu modo de enxergar a relação das pessoas com o dinheiro. Coyle aponta que, para os economistas, os indivíduos são como engrenagens: calculistas e independentes, ele agem em contexto definido.

A realidade, entretanto, é que, com a digitalização, as pessoas estão mais para monstros: sem amarras e socialmente influenciadas. Ignorar essas características atrapalha a resolução de problemas na nova era das finanças. Além das críticas, o livro mostra como as tecnologias podem ser oportunidades para resolver crises globais.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos