Mercado abrirá em 9 h 5 min
  • BOVESPA

    117.560,83
    +362,83 (+0,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.326,68
    +480,88 (+1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,39
    -0,06 (-0,07%)
     
  • OURO

    1.718,50
    -2,30 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    20.007,16
    -335,72 (-1,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    455,14
    -7,98 (-1,72%)
     
  • S&P500

    3.744,52
    -38,76 (-1,02%)
     
  • DOW JONES

    29.926,94
    -346,93 (-1,15%)
     
  • FTSE

    6.997,27
    -55,35 (-0,78%)
     
  • HANG SENG

    17.803,53
    -208,62 (-1,16%)
     
  • NIKKEI

    27.091,76
    -219,54 (-0,80%)
     
  • NASDAQ

    11.530,00
    -11,75 (-0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1035
    -0,0100 (-0,20%)
     

Estes exoplanetas parecem ter sido “sequestrados” por estrelas massivas

Uma equipe de pesquisadores da Universidade de Sheffield, no Reino Unido, encontrou dois exoplanetas que parecem ter sido “sequestrados”. Eles são gigantes gasosos de tamanho parecido com o de Júpiter, que orbitam estrelas massivas a centenas de vezes a distância entre a Terra e o Sol. Como estas estrelas emitem alta quantidade de radiação, o esperado era que os planetas fossem menores; portanto, os autores acreditam que eles foram capturados pelas estrelas.

Os exoplanetas (nome dado aos mundos que orbitam outras estrelas) foram descobertos por meio do estudo B-star Exoplanet Abundance Study (BEAST), e representam uma incógnita para os processos de formação estelar. “Embora os planetas possam ser formados ao redor de estrelas massivas, é difícil imaginar planetas gigantes gasosos, como Júpiter e Saturno, conseguindo se formar em ambientes tão hostis”, explicou Richard Parker, coautor do estudo.

Representação de um exoplaneta gigante gasoso orbitando uma estrela azul massiva; ele provavelmente foi capturado de outra estrela (Imagem: Reprodução/Mark Garlick/ University of Sheffield)
Representação de um exoplaneta gigante gasoso orbitando uma estrela azul massiva; ele provavelmente foi capturado de outra estrela (Imagem: Reprodução/Mark Garlick/ University of Sheffield)

Segundo ele, a radiação das estrelas pode evaporar estes planetas antes de estarem prontos. Ao simular as condições dos berçários estelares, os pesquisadores descobriram que planetas “roubados” de lá podem orbitar estrelas a distâncias parecidas com aquelas observadas. Portanto, o novo estudo sugere que os planetas BEAST não foram formados nos sistemas onde estão, mas que foram “sequestrados” de estrelas menores em um berçário estelar.

Emma Daffern-Powell, coautora do estudo, descreve que o processo é como um “sequestro planetário. “Sabemos que as estrelas massivas têm mais influência nestes berçários do que as estrelas parecidas com o Sol, e descobrimos que elas podem capturar ou roubar planetas”, disse. As simulações mostraram que as capturas ocorrem, em média, nos 10 primeiros milhões de anos de evolução da região formadora de estrelas.

Para Parker, os exoplanetas BEAST são mais um tipo de sistemas exoplanetários conhecidos, altamente diversificados. “Nossos resultados trazem mais crédito à ideia de que os planetas em órbitas mais distantes, a mais de 100 vezes a distância entre a Terra e o Sol, podem não estar orbitando suas estrelas originais”, concluiu ele.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: