Mercado fechado

Estes dados mostram por que a tendência dos nômades digitais está em alta

·2 min de leitura

Já falamos aqui como o isolamento social imposto pela pandemia de covid-19 e a adesão ao modelo de trabalho home office fizeram muita gente entrar para o universo dos nômades digitais. Mas alguns dados de um levantamento realizado pelo Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe), em agosto do ano passado, revelam detalhes. Nela, cerca de 70% dos entrevistados disseram não ter apego a um imóvel fixo.

O estudo apontou, ainda, que 82% dos jovens entre 16 e 24 anos querem experimentar a moradia compartilhada. Entre os adultos, 52% se interessam pelo modelo, e os idosos resistem mais à mudança, com apenas 36% de favoráveis. Além disso, apenas 26% dos entrevistados querem financiamento bancário de casa própria ao longo de 30 anos.

O órgão fez a pesquisa especificamente para o livro “Como viver em um mundo sem casa”, que trata sobre as novas tendências de relacionamento com o espaço urbano, em aspectos como mobilidade, formas de trabalho e a influência na relação das pessoas com a moradia. A publicação foi lançada no final do ano passado e escrita por Alexandre Frankel, CEO da Housi, startup brasileira de moradia compartilhada.

Além de conhecer o mundo enquanto trabalha, algumas das demais vantagens do nomadismo digital são o rompimento com o estilo de vida de antes, buscar locais com clima mais interessante, trabalhar em locais inspiradores e conhecer pessoas que pensam como você.

Imagem: Reprodução/Humphrey Muleba/Unsplash
Imagem: Reprodução/Humphrey Muleba/Unsplash

Parece tentador, mas há desvantagens. Podemos destacar a burocracia entre países, jogar-se em ambientes desconhecidos que possam trazer instabilidade no estilo de vida, a instabilidade financeira no começo da jornada, a solidão e saudade da família e amigos, o estresse para dosar trabalho e lazer e o excesso de precauções com seus equipamentos de trabalho.

“A moradia é cada vez mais percebida como um serviço. Estamos em uma era em que o ‘ter’ dá lugar ao ‘usar’. Os custos do ‘usar’ podem ser muito menores dos que os de ‘ter’. A vantagem de um serviço contratado sob demanda é a possibilidade de se adaptar e adequar às diferentes fases da vida, às mudanças de perfil e necessidades”, afirma Frankel.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos