Mercado fechado
  • BOVESPA

    93.952,40
    -2.629,76 (-2,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.987,86
    +186,49 (+0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,72
    -0,45 (-1,24%)
     
  • OURO

    1.878,80
    +10,80 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    13.551,30
    +4,31 (+0,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    265,42
    +1,78 (+0,68%)
     
  • S&P500

    3.269,96
    -40,15 (-1,21%)
     
  • DOW JONES

    26.501,60
    -157,51 (-0,59%)
     
  • FTSE

    5.577,27
    -4,48 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.107,42
    -479,18 (-1,95%)
     
  • NIKKEI

    22.977,13
    -354,81 (-1,52%)
     
  • NASDAQ

    11.089,00
    -253,75 (-2,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0584 (-0,87%)
     

Esteroides diminuem mortalidade de pacientes graves de Covid-19, diz estudo

Com agências internacionais
·2 minutos de leitura

Tratar pacientes de Covid-19 gravemente doentes com corticoides diminui o risco de morte em 20%, revelou nesta quarta-feira (2) uma análise de sete testes internacionais, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a atualizar sua diretriz sobre o tratamento.

A análise — que cotejou dados de testes separados de doses baixas de hidrocortisona, dexametasona e metilprednisolona-- indicou que os esteroides aumentam as taxas de sobrevivência de pacientes de Covid-19 doentes o suficiente para estarem internados em unidades de tratamento intensivo.

"Isto é equivalente a cerca de 68% dos pacientes (mais graves de Covid-19) que sobrevivem após o tratamento com corticoides, o que se compara com cerca de 60% que sobrevivem na ausência de corticoides", disseram os pesquisadores em um comunicado.

Medicação barata e amplamente disponível

— Os esteroides são uma medicação barata e amplamente disponível, e nossa análise confirmou que são eficazes na redução de mortes entre as pessoas mais gravemente afetadas pela Covid-19 — disse em entrevista coletiva Jonathan Sterne, professor de estatísticas médicas e epidemiologia da Universidade de Bristol, do Reino Unido, que trabalhou na análise.

Ele disse que os testes — realizados por pesquisadores do Reino Unido, Brasil, Canadá, China, França, Espanha e Estados Unidos — proporcionaram uma mensagem coerente, mostrando que os remédios são benéficos para os pacientes mais doentes, independentemente da idade, do sexo e de há quanto tempo estão enfermos.

As descobertas, publicadas no periódico científico "Journal of the American Medical Association", reforçam resultados que foram saudados como um grande avanço e anunciados em junho, quando a dexametasona se tornou o primeiro remédio a se mostrar capaz de reduzir as taxas de mortalidade entre pacientes de Covid-19 gravemente doentes.

Desde então, a dexametasona vem sendo usada amplamente em UTIs de alguns países para o tratamento de pacientes de Covid-19.

Martin Landray, professor de medicina e epidemiologia da Universidade de Oxford que trabalhou no teste de dexametasona que foi parte essencial da análise múltipla publicada nesta quarta-feira, disse que os resultados significam que os médicos de hospitais de todo o mundo podem passar a usar estes remédios que salvam vidas com segurança.

Mas Anthony Gordon, professor do Imperial College de Londres que também trabalhou na análise, alertou: "Por mais impressionantes que estes resultados sejam, isto não é uma cura... então é vital mantermos as estratégias de prevenção."