Mercado abrirá em 3 h 30 min
  • BOVESPA

    123.576,56
    +1.060,82 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.633,91
    +764,43 (+1,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,32
    -0,24 (-0,34%)
     
  • OURO

    1.815,10
    +1,00 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    37.807,23
    -797,86 (-2,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,55
    -18,89 (-2,00%)
     
  • S&P500

    4.423,15
    +35,99 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    35.116,40
    +278,24 (+0,80%)
     
  • FTSE

    7.130,41
    +24,69 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    26.426,55
    +231,73 (+0,88%)
     
  • NIKKEI

    27.584,08
    -57,75 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    15.052,75
    +6,50 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1808
    +0,0153 (+0,25%)
     

Este vídeo mostra a velocidade de uma bola se jogada em diferentes planetas

·3 minuto de leitura

Você provavelmente já viu um dos diversos vídeos de astronautas da NASA na Lua. Também é muito provável que você saiba por que eles estão sempre saltitando — a gravidade na Lua é muito menor que na Terra. Para mostrar a força gravitacional de objetos no Sistema Solar, um cientista criou uma animação sobre a velocidade da queda de um objeto em cada um dos planetas e algumas luas.

Quando o assunto é a "força" da gravidade dos objetos no universo, tamanho não é documento. Nem todos os corpos com grande volume têm massa o suficiente para exercer um grande poder de “atração” gravitacional. Por outro lado, a massa sozinha também é insuficiente para nos dizer qual é a força desse objeto. Apenas juntas, essas duas informações — tamanho e massa — podem definir o que realmente importa: a densidade.

Outro detalhe que também é preciso ter sempre em mente e que quando se fala em “força gravitacional” de um planeta, estrela ou lua, estamos nos referindo à aceleração da gravidade. É que, desde a Teoria da Relatividade Geral de Albert Einstein, a gravidade não é considerada uma “força”, e sim uma distorção no espaço-tempo causada pela massa dos objetos. Quando maior a densidade, maior é a distorção.

Para citar um exemplo desse “sistema” de medidas, a aceleração da gravidade na Lua é de de 1,62 m/s², muito menor que a da Terra, que tem 9,807 m/s². Isso também significa que a velocidade de escape da Lua é muito menor — ou seja, um foguete precisa de muito menos velocidade para abandonar a Lua do que precisaria para deixar a órbita do nosso planeta

Pode ser que esse assunto fique um pouco confuso. Afinal, são muitos números para se levar em conta. Pensando nisso, o cientista planetário Dr. James O'Donoghue montou uma animação para mostrar a velocidade com que uma bola cai na superfície de lugares como o Sol, a Terra, Ceres, Júpiter, a Lua e Plutão. O vídeo considera que o objeto cai sempre de 1 km de altura da superfície, e isso é muito importante para compreendermos a relação peso x massa de planetas gasosos, como Júpiter e Saturno. Entretanto, não foi considerada a resistência do ar.

Para alguns corpos, o vídeo mostra o óbvio: a bola cairia muito mais rápido no Sol do que em qualquer outro lugar, porque a nossa estrela não só é grande, como também é muito mais massiva que qualquer outra coisa no Sistema Solar — é por isso que tudo gira em torno dela. Mas outros lugares podem ser mais inusitados, como os 13,8 segundos para a bola cair em Saturno e 15 segundos em Urano, com a Terra tendo 4,3 segundos. Isso ocorre porque esses mundos, apesar de gigantes, são de baixa densidade.

Por outro lado, Júpiter, que também é um planeta gasoso, tem alta densidade porque é muito massivo. Na verdade, ele é o planeta mais massivo do Sistema Solar, com 317,8 vezes a massa da Terra. Ceres é o “lanterninha” da aceleração gravitacional, com 84,3 segundos para a bola cair de apenas 1 km de altura. Deve ser um pesadelo jogar vôlei ou basquete por lá.

O assunto rende muitas outras curiosidades. Por exemplo, na Lua, você pesaria cerca de 16,5% do seu peso na Terra. Se você quiser saber qual seria seu peso em Marte, basta pegar o valor que você obtém na balança na Terra e multiplicar por 0,38 kg. Já em Júpiter, você terá que multiplicar por 184,8.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos