Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.308,82
    +2.312,91 (+4,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Este projeto quer tornar o espaço um lugar acessível às pessoas com deficiência

·2 min de leitura

Com o propósito de tornar o espaço um lugar acessível às pessoas com deficiência, a AstroAccess realizou um voo de "gravidade zero" com seus 12 embaixadores. Os tripulantes realizaram uma série de demonstrações e experiências a bordo do avião G-Force One da Zero Gravity Corporation (Zero-G).

A AstroAccess é uma iniciativa da ScieAccess, instituição voltada para promover as áreas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM, na sigla em inglês) para pessoas com deficiência. Os 12 tripulantes voaram em uma trajetória parabólica a uma altitude de 9.753 metros, onde experimentaram a sensação da ausência de peso por alguns instantes.

Segundo George Whitesides, líder do projeto e que também é presidente do Conselho Consultivo Espacial da Virgin Galactic, o voo fez história. O grupo de embaixadores incluía pessoas com deficiência motora, visual e auditiva, e a experiência será utilizada para melhor a compreensão de como as espaçonaves não apenas podem como devem ser inclusivas e acessíveis às pessoas com deficiência.

(Imagem: Reprodução/AstroAccess/Zero G Corp.)
(Imagem: Reprodução/AstroAccess/Zero G Corp.)

Vale destacar que, no início deste ano, a Agência Espacial Europeia (ESA) convocou pessoas com deficiência para se tornarem astronautas da agência. Mais recentemente, em 15 de setembro, Hayley Arceneaux se tornou a primeira pessoa com uma prótese a voar para o espaço, a bordo da missão orbital Inspiration4, realizada pela SpaceX. Mesmo assim, o voo espacial permanece distante para a maior parte destas pessoas.

De acordo com a ScieAccess, os 26% dos norte-americanos que vivem com algum tipo de deficiência, em sua maioria, estão excluídos das carreiras espaciais, sem chance de acessar as habilidades e educação necessárias para tal. A embaixadora Dana Bolles, comunicadora científica da NASA, acredita que o AstroAccess não apenas visa melhorar as estruturas das espaçonaves, como também "mostrar o potencial de nossa comunidade para o resto do mundo".

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos