Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,40
    -0,06 (-0,09%)
     
  • OURO

    1.764,40
    -2,40 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    63.327,97
    +592,41 (+0,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.397,85
    +16,90 (+1,22%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    6.983,50
    +43,92 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    28.793,14
    -107,69 (-0,37%)
     
  • NIKKEI

    29.642,69
    +21,70 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    14.004,50
    -9,50 (-0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7182
    -0,0547 (-0,81%)
     

Este meteorito pode ter se originado de um protoplaneta mais antigo que a Terra

Wyllian Torres
·2 minuto de leitura

Novo estudo revela que o até então meteorito Erg Chech 002 (EC 002), encontrado no deserto do Argelia em 2020, na verdade é um pedaço de um protoplaneta — com idade estimada de 4,6 bilhões de anos. O pedaço de rocha vulcânica é mais antigo do que a própria Terra e se torna o exemplar de magma espacial mais primitivo já registrado.

Segundo artigo publicado na última segunda-feira, (8) no periódico da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos (PNAS), o meteorito EC 002 pode ter se originado da crosta de um pequeno planeta ainda em formação que foi, por alguma razão, destruído no início do Sistema Solar. No entanto, existe também a possibilidade de que um planeta rochoso maior tenha o absorvido durante esse período. De todo modo, cientistas afirmam se tratar de uma rara oportunidade de estudar a formação desses corpos para aprender mais sobre as condições iniciais do nosso sistema planetário.

O EC 002 possui vários pedaços de rocha, com cerca de 32 kg, e rapidamente foi apontado como incomum. Em vez de uma composição condrítica, como a maioria dos meteoritos analisados costumam ter, ele apresenta textura ígnea, ou seja, uma rocha formada por magma resfriado. Depois de comparado com outros 10 mil objetos catalogados pelo Sloan Digital Sky Survey, a equipe formada por especialistas de universidades da França e Japão concluiu se tratar de um pedaço que facilmente se destaca entre os demais.

Representação artítica do Cinturão de Kuiper. Objetos antigos do Sistema Solar nos ajudam a compreender sua formação (Imagem: Reprodução/ESO/M. Kornmesser)
Representação artítica do Cinturão de Kuiper. Objetos antigos do Sistema Solar nos ajudam a compreender sua formação (Imagem: Reprodução/ESO/M. Kornmesser)

A análise da equipe aponta o decaimento radioativo de isótopos de alumínio e magnésio, sugerindo que esses minerais se cristalizaram há cerca de 4,56 bilhões de anos — para efeitos de comparação, nosso planeta tem, aproximadamente, 4,54 bilhões de anos. "Este meteorito é a rocha magmática mais antiga analisada até hoje e lança luz sobre a formação das crostas primordiais que cobriam os protoplanetas mais antigos", acusam os pesquisadores no artigo.

Diferentemente do basalto, formado a partir do rápido resfriamento da lava rica em magnésio e ferro, o EC 002 é um andesito: formado em zonas de subducção, ou seja, onde a borda de uma placa tectônica é empurrada para baixa. Pedaços de andesitos são raros inclusive no Cinturão de Asteroides entre Marte e Júpiter. É provável que este exemplar e outros pequenos planetas em fase de formação tenham ajudado a construir a Terra, absorvidos por ela.

Atualmente sabemos mais ou menos como o Sistema Solar se formou, mas entender as especificidades dos processos que transformaram uma grande nuvem poeiras em um sistema planetário ainda permanece um mistério. O EC 002 é uma ótima chance de avançar nesse caminho de compreensão e, quem sabe, responder a questões fundamentais sobre nossas origens.

O artigo detalhando a pesquisa sobre o Erg Chech 002 pode ser acessada no PNAS.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: