Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    48.392,10
    +1.011,71 (+2,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Este avião pode fazer "bate-volta" entre Terra e espaço várias vezes ao dia

·2 minuto de leitura

Quem nunca resolveu, de uma hora para outra, fazer o chamado “bate-volta” para a praia ou para aquela cidadezinha do interior, só para curtir um domingão de sol antes de voltar ao batente na segunda-feira? Graças a Stefan Powell, o popular "bate-volta" está prestes a ganhar contornos bem mais interessantes.

O CEO da Dawn Aerospace, empresa que tem sua sede na Nova Zelândia, apresentou recentemente o Aurora Mk-II. O principal propósito do avião espacial é, pasmem, fazer voos diários ao espaço. Isso mesmo. Voos. No plural. Literalmente um “bate-volta sideral”. E como ele pretende fazer isso? Com uma aeronave projetada para voos a 100 km acima da Terra.

“O motor de foguete do Mk-II Aurora foi projetado para funcionar como qualquer outro motor de aeronave, mas com o desempenho de um foguete. Ele usa propelentes armazenáveis e compatíveis à aeronave para operações gas-and-go. Com modos de operação mono e bipropelente, é altamente regulável e infinitamente reiniciável”, explicou a Dawn Aerospace em seu site oficial.

Imagem: Divulgação/Dawn Aerospace
Imagem: Divulgação/Dawn Aerospace

Especificações

O Aurora Mk-II tem 4,8 metros, pesa 75 kg (vazio) e 280 kg (na decolagem). Segundo a fabricante, ele pode atingir velocidade máxima Mach 3 (3.704 km/h) e é licenciado para operar como um avião; por conta disso, não tem zonas de lançamento exclusivas, vias aéreas ou hidroviárias. “Voamos em harmonia com outros veículos”, explica a companhia.

Os primeiros cinco voos feitos com o Aurora Mk-II foram realizados partindo do Aeródromo Glentanner, na Ilha Sul da Nova Zelândia, entre os dias 28 e 30 de julho deste ano, e atingiram altitudes de 3.400 pés. Stefan Powell comemorou bastante os primeiros resultados: “Tivemos sucesso em demonstrar nossa capacidade de integração com outros operadores do espaço aéreo. Aeronaves de asa fixa e empresas de helicópteros locais continuaram suas operações sem serem afetadas. É fantástico”.

Imagem: Divulgação/Dawn Aerospace
Imagem: Divulgação/Dawn Aerospace

A projeção da empresa é, muito em breve, entregar satélites, experimentos científicos e muito mais no espaço com agilidade, rapidez e segurança. O sonhado “bate-volta” turístico, no entanto, ainda não faz parte dos planos, ao contrário do que já traçaram empresas como a Blue Origin, de Jeff Bezos, ou a Space X, de Elon Musk, que pretende levar humanos à Lua antes de 2024.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos