Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.783,90
    +21,20 (+1,20%)
     
  • BTC-USD

    48.240,15
    -7.505,06 (-13,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Este asteroide próximo da Terra pode ser um pedaço "expulso" da Lua

·2 min de leitura

Em 2016, o telescópio PanSTARRS identificou o asteroide Kamo'oalewa. Trata-se de uma rocha espacial de aproximadamente 50 metros de diâmetro e que tem órbita próxima da Terra, podendo chegar a até 14 milhões de quilômetros de distância do nosso planeta. Agora, um novo estudo, conduzido por Ben Sharkey, graduado em ciências planetárias pela Universidade do Arizona, sugere que o asteroide talvez seja um pedacinho da Lua arrancado por um impacto antigo. Se isso for confirmado, este será então o primeiro objeto próximo da Terra com origem no nosso satélite natural.

Devido às características de sua órbita, o Kamo'oalewa só pode ser observado da Terra durante algumas semanas do mês de abril. Essa é uma característica que o coloca no grupo de “quase satélites”, objetos que orbitam o Sol e se mantêm próximos da Terra. Apesar de já conhecermos vários deles, os cientistas têm dificuldades para estudá-los detalhadamente por serem pequenos e escuros demais.

Em abril, o asteroide fica a 14,4 milhões de quilômetros da Terra e pode ser observado por telescópios poderosos (Imagem: Reprodução/Universidade da Califórnia)
Em abril, o asteroide fica a 14,4 milhões de quilômetros da Terra e pode ser observado por telescópios poderosos (Imagem: Reprodução/Universidade da Califórnia)

Assim, ao usar o telescópio Large Binocular Telescope para observá-lo sempre no mês de abril, durante alguns anos, a equipe descobriu que o espectro (o padrão de luz refletida pelo asteroide) corresponde àquele das rochas lunares obtidas durante as missões Apollo, o que sugere que ele tenha vindo da Lua. “Analisei todos os espectros de cada asteroide próximo da Terra aos quais tínhamos acesso e nada se encaixava”, comentou Sharkey, autor principal do estudo.

Como não se sabe de outros asteroides com origens lunares, os pesquisadores ainda não têm certeza sobre o que teria atingido a superfície da Lua para liberar o asteroide, e menos ainda o que o levou para a órbita atual. Após analisar a órbita da rocha, a equipe descobriu outros três asteroides com padrões orbitais parecidos, que podem ser “vizinhos” do Kamo'oalewa. Portanto, todos eles podem ter sido liberados para o espaço durante o mesmo impacto.

Claro, mais estudos ainda são necessários para ajudar a esclarecer a origem dessas rochas, mas felizmente os pesquisadores ainda têm várias oportunidades pela frente para analisar melhor o Kamo'oalewa. “É muito pouco provável que um asteroide mude espontaneamente para uma órbita como a do Kamo'oalewa's”, observou Renu Malhotra, coautor do estudo que liderou a análise orbital no estudo. Para ele, o objeto entrou nesta órbita há aproximadamente 500 anos e deverá continuar nela por mais 300.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista Nature Communications Earth & Environment.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos