Mercado abrirá em 5 mins
  • BOVESPA

    113.794,28
    -1.268,26 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.192,33
    +377,16 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,28
    -0,33 (-0,45%)
     
  • OURO

    1.758,00
    +1,30 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    47.382,02
    -704,38 (-1,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.201,77
    -31,52 (-2,56%)
     
  • S&P500

    4.473,75
    -6,95 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    34.751,32
    -63,07 (-0,18%)
     
  • FTSE

    7.039,43
    +11,95 (+0,17%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.516,50
    -1,25 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2356
    +0,0508 (+0,82%)
     

Este asteroide é o objeto que completa a volta mais rápida ao redor do Sol

·3 minuto de leitura

Os astrônomos encontraram o asteroide que completa a volta mais rápida ao redor do Sol, com período orbital de apenas 113 dias. Isso significa que, durante um ano terrestre, o objeto 2021 PH27 terá completado um pouco mais de três voltas em torno da estrela. Além disso, ele é o segundo objeto de menor distância média do Sol em todo o Sistema Solar, perdendo apenas para Mercúrio.

Com 1 km de diâmetro, o asteroide consegue uma aproximação com o Sol de até 0,13 unidades astronômicas (uma unidade astronômica corresponde à distância média entre a Terra e o Sol). O 2021 PH27 está tão perto do campo gravitacional solar que experimenta os maiores efeitos relativísticos dentre todos os objetos conhecidos do Sistema Solar.

Assim como Vênus e Mercúrio, os asteroides que orbitam o Sol de perto são melhor observados logo após o pôr do Sol ou antes do nascer do Sol. Por isso, ele foi descoberto durante o crepúsculo do dia 13 de agosto, através da Dark Energy Camera (DECam), no Observatório Interamericano de Cerro Tololo ( CTIO ), Chile. O instrumento é usado para estudar aglomerados de galáxias massivas no universo local, mas os pesquisadores pararam o trabalho para “caçar” asteroides em nosso “quintal cósmico”.

A órbita do asteroide é representada pela linha tracejada laranja, a mais elíptica da imagem (Imagem: Reprodução/CTIO/NOIRLab/NSF/AURA/J. da Silva)
A órbita do asteroide é representada pela linha tracejada laranja, a mais elíptica da imagem (Imagem: Reprodução/CTIO/NOIRLab/NSF/AURA/J. da Silva)

Após a descoberta, a equipe mediu a posição do asteroide e previu onde ele poderia ser observado na noite seguinte. Na noite do dia 14, outros telescópios entraram na “brincadeira”, enquanto astrônomos adiavam suas observações previamente programadas para espiar o novo objeto. “Embora o tempo do telescópio para os astrônomos seja muito precioso, a natureza internacional e o amor pelo desconhecido tornam os astrônomos muito dispostos a ignorar sua própria ciência e observações para acompanhar novas e interessantes descobertas como esta”, disse Sheppard, autor da descoberta do objeto.

Quanto à origem do asteroide, os astrônomos ainda não têm muita certeza, mas é possível que ele tenha se formado no cinturão principal de asteroides, entre Marte e Júpiter. Se este foi o caso, os distúrbios gravitacionais dos planetas internos acabaram “expulsando” o 2021 PH27 para mais perto do Sol. Por outro lado, sua alta inclinação orbital de 32 graus sugere que ele pode ter vindo de mais longe e acabou sendo capturado em uma órbita mais próxima ao passar perto de um dos planetas terrestres.

Seu destino também é incerto, já que sua órbita deve ser instável o suficiente para levá-lo a uma colisão com Mercúrio, Vênus ou o Sol daqui a alguns milhões de anos. Outra possibilidade é que ele seja ejetado do Sistema Solar. Se qualquer forma, a descoberta é uma ótima oportunidade de estudar asteroides próximos e atualizar o catálogo de objetos conhecidos — o importante para o “censo” que visa deixar a humanidade a par de todos os asteroides que possam se aproximar perigosamente do nosso planeta.

O asteroide foi fotografado dentro da órbita de Mercúrio em dois momentos diferentes. As duas fotos foram sobrepostas para mostrar o deslocamento do objeto em um intervalo de apenas três minutos (Imagem: Reprodução/CTIO/NOIRLab/NSF/DOE/DECam/AURA/S.S. Sheppard)
O asteroide foi fotografado dentro da órbita de Mercúrio em dois momentos diferentes. As duas fotos foram sobrepostas para mostrar o deslocamento do objeto em um intervalo de apenas três minutos (Imagem: Reprodução/CTIO/NOIRLab/NSF/DOE/DECam/AURA/S.S. Sheppard)

Ainda não se sabe ao certo sobre sua composição e ele nem sequer ganhou um nome oficial. Infelizmente, teremos que esperar um pouco para que novas observações tragam mais respostas. É que o 2021 PH27 está agora entrando na conjunção solar, que é quando, do nosso ponto de vista, ele se move atrás do Sol. Isso torna inviável a observação, mas espera-se que ele volte para um local melhor no início de 2022. Quando isso acontecer, ele terá a chance de ter suas características definidas e de receber um nome oficial.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos