Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.927,60
    -2,40 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    23.044,90
    -144,27 (-0,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Este é modo de preparo mais ecológico para seu café

Se você tivesse de adivinhar qual método de fazer café é o que menos afeta o meio ambiente, qual escolheria entre cafeteira, prensa francesa e cápsula descartável? A resposta é bem contra-intuitiva, já que o método que envolve uma parte difícil de reciclar — a cápsula — é o que menos impacta a natureza entre essas possibilidades.

Cientistas da Universidade de Quebec desvendaram os segredos da poluição causada pelos diferentes preparos da bebida favorita do café da manhã humano, com 2 bilhões de xícaras bebidas todos os dias pelo mundo, e determinaram quais métodos são mais sustentáveis. A cápsula de café, maneira mais moderna de consumir o líquido, foi inventada há cerca de 40 anos, ganhando muito espaço nas casas desde então.

Cada maneira de preparar café agride mais ou menos a natureza com gases do efeito estufa — mas qual é a menos poluente? (Imagem: LightFieldStudios/Envato)
Cada maneira de preparar café agride mais ou menos a natureza com gases do efeito estufa — mas qual é a menos poluente? (Imagem: LightFieldStudios/Envato)

Maneiras de beber café e a poluição

As cápsulas são feitas de plástico ou alumínio, e a preocupação com o desperdício chegou até a fazer com que a cidade alemã de Hamburgo banisse seu consumo em edifícios do estado em 2016. Como é possível, então, que o item seja o menos poluente? O segredo não está no consumidor final, mas sim nos primeiros estágios de colheita e preparo.

Compilando estudos sobre a planta e seu consumo, os cientistas mediram as emissões de Gases do Efeito Estufa (GEE) envolvidas no preparo de 280 ml de café, indo da produção dos grãos até o depósito dos resíduos em aterros sanitários. A maior diferença, que, na verdade, foi pouca, surgiu na forma de preparo da bebida em casa. O estágio que libera mais GEE é o de produção de grãos.

A parte mais importante da análise, para os consumidores e para a natureza, é que também foi observado quando é utilizado mais café do que o necessário no preparo caseiro: a maioria das pessoas não mede a quantidade na hora de fazer uma dose da bebida, desperdiçando e gerando mais emissões. Para completar a pesquisa, foram comparadas as emissões de diferenças províncias canadenses, especificamente de Alberta, segunda maior emissora do país, e Quebec, a que menos emite GEE.

As maiores emissões de GEE estão na plantação e preparação do café, antes de chegar às prateleiras do supermercado: o consumidor pouco dita no consumo caseiro (Imagem: Unsplash/Clint McKoy)
As maiores emissões de GEE estão na plantação e preparação do café, antes de chegar às prateleiras do supermercado: o consumidor pouco dita no consumo caseiro (Imagem: Unsplash/Clint McKoy)

Os resultados mostraram que o café filtrado tradicional, via cafeteira, é o que mais produz gases do efeito estufa, já que a quantidade de pó de café utilizada para fazer uma xícara é maior. Também entra na conta a energia usada no aquecimento da água e para manter a bebida quente. O segundo colocado é a prensa francesa, que também utiliza mais pó na produção de uma xícara, deixando o terceiro lugar para a cápsula.

Como a quantidade de café presente em uma única cápsula é controlada, não há como consumir mais do que o necessário, economizando de 11 a 13 gramas do pó, segundo os cientistas. Curiosamente, há um quarto colocado, que desponta como vencedor em economia de GEE — é o café solúvel, ou instantâneo, que utiliza menos café e menos energia, já que apenas esquentar a água na chaleira economiza, ao menos comparando com uma cafeteira.

Há como beber ecologicamente?

Prefira doses menores, como cafés expressos, ou use apenas a quantidade necessária para não desperdiçar e poupar a natureza (Imagem: SkyNextphoto/Envato)
Prefira doses menores, como cafés expressos, ou use apenas a quantidade necessária para não desperdiçar e poupar a natureza (Imagem: SkyNextphoto/Envato)

No final das contas, a parte mais poluente fica fora do controle dos consumidores, já que fica na frase agrícola, durante a produção do grão. Entre colheita e preparo, já estão de 40% a 80% das emissões, já que o pé de café precisa ser cultivado com irrigação intensiva, fertilização e pesticidas.

Mesmo assim, podemos economizar um pouco no consumo caseiro. Uma dica é preferir expressos de 50 ml a 100 ml, ou medindo a quantidade exata necessária para o preparo. Vale também lembrar que, apesar de serem mais econômicas, não convém abusar das cápsulas — podemos acabar bebendo mais, já que pensamos estar emitindo menos GEE, e nesse caso, a vantagem some.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: