Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.059,44
    +89,58 (+0,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Estatais perdem R$ 100 bilhões em ações após vitória de Lula

Petrobras é a maior responsável no movimento de queda das ações das estatais
Petrobras é a maior responsável no movimento de queda das ações das estatais
  • Estatais: Só a Petrobras é responsável pela queda de R$ 81 bilhões em valor de mercado;

  • Investidores temem mudança na política de preços da petroleira;

  • Setor de energia possuía saldo positivo até quinta-feira (10).

Desde que a vitória eleitoral de Lula foi confirmada, as estatais listadas na bolsa de valores perderam R$ 101 bilhões em valor de mercado, segundo um levantamento da TradeMap a pedido da CNN Brasil Business. Só na quinta-feira, quando o Ibovespa caiu 3,35% em um único dia, a perda das estatais foi de R$ 21 bilhões.

A maior culpada pelas perdas bilionárias é a Petrobras. A petroleira já acumula uma queda de R$ 81 bilhões em suas ações desde o dia 28 de outubro. Em seguida, segundo o levantamento, aparecem a Eletrobras e o Banco do Brasil, com perdas de R$ 7,6 bilhões e 7,1 bilhões.

A queda da Petrobras acontece em meio a preocupações da revogação da política de preços da estatal, a PPI, que vê o preço de venda dos produtos derivados de petróleo no Brasil serem regidos pelo preço no mercado internacional.

Isso elevou em muito o preço dos combustíveis no Brasil, que ficaram à mercê da alta do dólar e do aumento no preço do barril causado pela guerra na Ucrânia. A política de preços aumentou também os lucros da estatal, que distribuirá ao todo mais de R$ 217 bilhões em dividendos a acionistas da empresa.

A União, que apesar de ser acionista majoritária da empresa, detém apenas 28,7% dos papéis que dão direitos a dividendos, ficará com R$ 62 bilhões desse valor. A maior parte dos dividendos será distribuída para os acionistas estrangeiros da estatal, e em seguida para os investidores brasileiros.

Setor de energia tinha variação positiva

Até esta quinta-feira (10), o setor de energia possuía uma variação positiva, com a Copel, Eletrobras, Cemig acumulando altas entre R$ 1 bilhão a quase R$ 2 bilhões. No entanto, o mau-humor dos investidores na bolsa ontem, fizeram com que esses resultados fossem revertidos. Das empresas citadas, apenas ainda Copel apresenta ganhos após a vitória de Lula.