Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.608,76
    -345,14 (-0,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.036,38
    +293,23 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,30
    +1,87 (+1,72%)
     
  • OURO

    1.808,50
    +7,00 (+0,39%)
     
  • BTC-USD

    20.260,84
    +990,64 (+5,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    440,26
    +20,12 (+4,79%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,86 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.232,65
    +64,00 (+0,89%)
     
  • HANG SENG

    21.830,35
    -29,44 (-0,13%)
     
  • NIKKEI

    26.343,71
    +189,90 (+0,73%)
     
  • NASDAQ

    11.707,25
    +96,00 (+0,83%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5471
    -0,0069 (-0,12%)
     

'Estamos sendo massacrados por essa política de preços', diz líder dos caminhoneiros autônomos sobre alta da Petrobras

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO*** SANTO ANDRE, SP, 12/03/2022, BRASIL -  Petrobras aumenta preço da gasolina, do gás de cozinha e diesel. Movimentação no posto de combustível do Carrefour de Santo Anderê. (Foto Rivaldo Gomes/Folhapress
***ARQUIVO*** SANTO ANDRE, SP, 12/03/2022, BRASIL - Petrobras aumenta preço da gasolina, do gás de cozinha e diesel. Movimentação no posto de combustível do Carrefour de Santo Anderê. (Foto Rivaldo Gomes/Folhapress

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O novo reajuste de preços da gasolina e do óleo diesel anunciado pela Petrobras nesta sexta-feira (17) deve reforçar o movimento dos caminhoneiros autônomos contra a política de preços da estatal. Líderes da categoria criticam o aumentos e acreditam que os impactos no bolso dos brasileiros podem levar a paralisações pontuais no país.

"Estamos sendo massacrados por essa política de preços. O governo pode zerar todos os impostos que a situação não vai mudar", afirma José Roberto Stringasci, presidente da ANTB (Associação Nacional de Transporte do Brasil) e coordenador do movimento Soberano Brasil.

A estatal anunciou aumento de 5,2% no litro da gasolina e de 14,2% no do óleo diesel. Os novos preços começarão a valer neste sábado (18). Para Stringasci, os reajustes impactam não apenas os transportadores autônomos e os demais caminhoneiros, mas afetam todos os brasileiros.

"Todos nós pagamos, independente se você tem carro ou não, se tem bicicleta; 70% de tudo que precisamos ao longo do dia é derivado de petróleo e esses reajustes são repassados."

Ele afirma que a categoria tem se mobilizado para conscientizar a sociedade civil contra a política de preços e acredita que poderá haver paralisações pontuais de caminhoneiros nas próximas semanas, especialmente em estados como a Bahia. "Na Bahia é onde estão sendo mais afetados. Creio que lá vai ter paralisações sim, mas o movimento não é exclusivo da categoria, é da população", diz ele.

A caravana iniciada no mês passado para protestar contra a disparada no diesel vai para o Nordeste nas próximas semanas divulgando críticas às estratégias do governo para o problema da disparada nas bombas.

No Sul do país, a situação também aponta para "movimentos espontâneos contra a situação", segundo Carlos Alberto Litti Dahmer, líder da categoria no Rio Grande do Sul, que faz parte da diretoria da CNTTL (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística).

"Cada vez que essas medidas são tomadas, a situação econômica do país vai deteriorando, tudo em função de querer manter paridade de preços com o mercado internacional para dar dinheiro para acionistas, em detrimento da própria Petrobras e do povo brasileiro", afirma.

Dhamer diz que, no Rio Grande do Sul, o aumento dos combustíveis deverá ser ainda maior, já que, segundo ele, o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) irá subir. "Hoje, é 12% e irá para 17%."

"Não impacta só na categoria, impacta toda a população brasileira. Atrás desse aumento vem com certeza gás de cozinha. E isso [reajuste] repassado para os fretes, é inflação na veia, no prato do trabalhador, daquele que ainda consegue comer, pois muitos já estão passando fome."

Procurado, o Ministério da Economia afirmou que não irá comentar. A Petrobras não se manifestou até a publicação deste texto.

DIESEL SUBIU HÁ CERCA DE 40 DIAS

O novo reajuste da gasolina ocorre após 99 dias sem aumentos. Com isso, o preço médio do combustível nas refinarias da estatal passará de R$ 3,86 para R$ 4,06 por litro. Já o preço do diesel passará de R$ 4,91 para R$ 5,61 por litro. O último ajuste ocorreu há 39 dias.

Na quarta (15), o Congresso concluiu a votação de projeto de lei que estabelece um teto para alíquotas do ICMS sobre os combustíveis, que pode reduzir o preço médio da gasolina em R$ 0,657 por litro, segundo projeção do consultor Dietmar Schupp.

Na semana que vem, o Congresso debate a chamada PEC (proposta de Emenda à Constituição) dos Combustíveis, que autoriza o governo a zerar impostos federais sobre a gasolina e compensar estados que se dispuseram a reduzir o ICMS sobre o diesel e o gás de cozinha.

Dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) mostram que o litro da gasolina chegou a R$ 8,49 no país, o do diesel atingiu a máxima de R$ 8,43 e o do etanol, R$ 7,89 na semana entre 5 e 11 de junho, último dado disponível. O preço médio ficou em R$ 7,25, R$ 6,89 e R$ 5, respectivamente.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos