Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    50.497,53
    +2.975,97 (+6,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Estamos muito perto de votar reformas fiscais, diz Campos Neto após eleições no Congresso

LARISSA GARCIA
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou nesta terça-feira (2) que o governo está mais perto de conseguir colocar em votação reformas fiscais no Congresso, passadas as eleições para a presidência do Senado e da Câmara. Em evento promovido pela revista The Economist, Campos Neto disse que a reforma da Previdência foi melhor que o esperado e destacou a importância da reforma administrativa, que ainda tramita no Congresso. "O custo de se manter a máquina pública é muito grande e cresce muito mais que a inflação ou qualquer outro indicador ", ressaltou. O presidente do BC também falou em microrreformas para que o ambiente de negócios no país "funcione melhor". "É um grande desafio, mas acho que temos condições, passadas as eleições no Congresso, de começar a solucionar esses problemas", disse. No evento, ele voltou a defender a vacinação contra a Covid-19 e a priorização do grupo de risco como forma de retomada mais rápida da economia. "Quando olhamos os microdados de Israel vemos que, quando os idosos são vacinados, o número de internações e óbitos cai dramaticamente", afirmou. Segundo ele, o sistema de vacinação brasileiro tem alta capacidade, embora o processo de adquirir doses e a coordenação do programa sejam complexos. "O Brasil pode vacinar mais de 5 milhões de pessoas em um dia, já passamos por várias vezes", avaliou.