Mercado abrirá em 23 mins
  • BOVESPA

    100.552,44
    +12,61 (+0,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.669,25
    +467,44 (+1,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,43
    +0,40 (+1,00%)
     
  • OURO

    1.918,60
    -10,90 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    12.966,75
    +1.909,74 (+17,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    261,12
    +16,23 (+6,63%)
     
  • S&P500

    3.435,56
    -7,56 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    28.210,82
    -97,97 (-0,35%)
     
  • FTSE

    5.787,16
    +10,66 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    24.786,13
    +31,71 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    23.474,27
    -165,19 (-0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.672,00
    -19,25 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6413
    -0,0087 (-0,13%)
     

Estamos indo para precipício se não regulamentarmos teto de gastos, diz Maia

Por Maria Carolina Marcello
·2 minutos de leitura
.
.

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), voltou a defender de forma enfática a regulamentação do teto de gastos, alertando nesta quinta-feira que o país caminha para o precipício se o tema não for enfrentado.

"Eu acho que o Congresso precisa ter como pauta número um, uma preocupação de todos nós, a PEC Emergencial", disse Maia em entrevista coletiva.

"Ela é a mais difícil, a que vai gerar desgaste no curto prazo, mas vai gerar solução a partir de 2021 para milhões de brasileiros. Então eu tenho defendido que a gente precisa regulamentar o teto, não apenas pelo Renda Cidadã, mas pela necessidade de reduzir o crescimento das despesas, aquelas que vêm crescendo acima da inflação. Então essa é a urgência número um do Senado, da Câmara, do Brasil", acrescentou.

Apesar de destacar essa prioridade, Maia negou que tenha jogado a toalha em relação a se votar a reforma tributária ainda este ano na Câmara.

"Só para você entender, os prazos da Câmara já estão todos cumpridos. Se nós construirmos um acordo, no texto, com o governo, com os partidos, a gente pode ir ao plenário no dia que a gente quiser em relação à reforma tributária", disse.

Ele lembrou, no entanto, que foi criada uma comissão mista com deputados e senadores "pela importância do tema", salientando que existem algumas divergências conhecidas.

"Nós temos que ter a maturidade, a compreensão, e nós temos que sentar à mesa e construir os caminhos para que a gente possa também ter um sistema tributário moderno", argumentou.

"Então em relação à reforma tributária, do meu ponto de vista, é fazer um esforço grande, de hoje até o fim do mês, início do próximo mês, para ter um texto que tenha apoio majoritário na Casa, para que possa ir ao plenário."