Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.690,17
    +1.506,22 (+1,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.004,19
    -373,28 (-0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,11
    +0,28 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.689,00
    -11,70 (-0,69%)
     
  • BTC-USD

    46.760,87
    -4.210,09 (-8,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    934,63
    -52,58 (-5,33%)
     
  • S&P500

    3.768,47
    -51,25 (-1,34%)
     
  • DOW JONES

    30.924,14
    -345,95 (-1,11%)
     
  • FTSE

    6.650,88
    -24,59 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    28.801,72
    -435,07 (-1,49%)
     
  • NIKKEI

    28.444,52
    -485,59 (-1,68%)
     
  • NASDAQ

    12.361,00
    -94,00 (-0,75%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7821
    -0,0038 (-0,06%)
     

Estados Unidos poderiam ter evitado 40% das mortes por coronavírus se tivesse índices de países desenvolvidos, aponta estudo

·2 minuto de leitura
Outgoing US President Donald Trump addresses guests at Joint Base Andrews in Maryland on January 20, 2021. - President Trump and the First Lady travel to their Mar-a-Lago golf club residence in Palm Beach, Florida, and will not attend the inauguration for President-elect Joe Biden. (Photo by ALEX EDELMAN / AFP) (Photo by ALEX EDELMAN/AFP via Getty Images)
Ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump foi criticado no relatório, mas não é considerado único culpado (Foto: ALEX EDELMAN/AFP via Getty Images)

Se os Estados Unidos tivessem a taxa de mortalidade igual a de outros países industrializados, 40% das mortes por coronavírus poderiam ter sido evitadas. É o que mostra o relatório de uma comissão que acompanha as políticas de saúde adotadas pelo governo de Donald Trump, publicado na revista científica “The Lancet”.

A gestão de Trump durante a pandemia foi considerada “inepta e insuficiente”, no entanto, os problemas são mais antigos do que o governo do republicano. Segundo Mary Bassett, membro da comissão e diretora do Centro FXB para Saúde e Direitos Humanos da Universidade de Harvard, apontou que os problemas sociais do país começaram antes de Trump.

“Os Estados Unidos se saíram muito mal nesta pandemia, mas o estrago não pode ser atribuído apenas a Trump. Também tem a ver com falhas sociais. Isso não vai ser resolvido com uma vacina”, explicou em entrevista ao jornal britânico The Guardian.

Leia também

O país tem a mais alta taxa de mortalidade pela covid-19. Ao todo, 470 mil pessoas morreram vítimas do coronavírus. Durante um longo tempo, quando todo o mundo era acometido pela pandemia, o então presidente Donald Trump minimizou a doença e chegou a sugerir métodos ineficazes, como uso de cloroquina e até a injeção de produtos de limpeza.

“Ele (Trump) foi uma espécie de ponto culminante de um determinado período, mas não é o único arquiteto. Decidimos que é importante colocá-lo em contexto, não para minimizar o quão destrutiva foi sua agenda política e seu fomento pessoal à fogueira da supremacia branca, mas para colocá-lo em contexto", disse Mary Bassett.

Um ponto ressaltado pelo estudo foi a falta de um sistema de saúde único, mesmo que fosse provado. Esse é um dos motivos pelos quais a expectativa de vida dos norte-americanos é menor do que de moradores de outros países.