Mercado abrirá em 1 h 11 min
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,38
    -0,08 (-0,13%)
     
  • OURO

    1.778,20
    +11,40 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    60.784,44
    -1.742,09 (-2,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.352,29
    -28,66 (-2,08%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    7.018,97
    +35,47 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.026,00
    +12,00 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7286
    +0,0075 (+0,11%)
     

Estados pedem para manter benefícios da Lei de Informática na PEC Emergencial

JOANA CUNHA
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Secretários estaduais e entidades de fomento à pesquisa assinaram uma carta conjunta criticando a previsão de corte gradual até 2029 dos incentivos da Lei de Informática para investimentos em inovação, na PEC Emergencial. A Proposta de Emenda à Constituição prevê que os incentivos fiscais sejam reduzidos para 2% do PIB em oito anos. Os secretários afirmam que, devido às exceções na lista de incentivos sujeitos a cortes de subsídios presentes no projeto, o setor de TI será o mais afetado, o que inviabilizaria a produção de várias empresas e institutos de pesquisa. Também dizem que a redução da Lei de Informática acabaria com a isonomia tributária em relação à Zona Franca de Manaus, que teve seus incentivos preservados pela proposta. Com isso, empresas deslocariam sua produção para o Amazonas e não haveria ganho na arrecadação federal, segundo eles. A PEC teve seu texto base aprovado na Câmara na madrugada desta quarta (10) e depende de votação de destaques. Ela prevê a criação de contrapartidas para ampliar o controle do Orçamento no momento em que o governo discute a distribuição de novas rodadas do auxílio emergencial. A carta foi assinada pelo CONSECTI (Conselho Nacional de Secretários Estaduais para Assuntos de CT&I), perdido pela secretária de Desenvolvimento Econômico de SP, Patrícia Ellen, e o CONFAP (Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa), presidido por Odir Dellagostin.