Mercado fechará em 4 h 35 min
  • BOVESPA

    111.531,80
    -2.262,48 (-1,99%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.726,85
    -465,48 (-0,89%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,69
    -0,92 (-1,27%)
     
  • OURO

    1.754,20
    -2,50 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    47.562,22
    -177,76 (-0,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.207,93
    -17,60 (-1,44%)
     
  • S&P500

    4.446,18
    -27,57 (-0,62%)
     
  • DOW JONES

    34.603,79
    -147,53 (-0,42%)
     
  • FTSE

    6.956,93
    -70,55 (-1,00%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2341
    +0,0493 (+0,80%)
     

Estados e capitais defendem rejeição de texto da reforma do IR; confederação dos municípios aprova projeto

·4 minuto de leitura

BRASÍLIA (Reuters) -Secretários de Fazenda e de Finanças dos Estados e dos principais municípios do país defenderam nesta terça-feira a rejeição do texto da reforma do Imposto de Renda que está previsto para ir à votação nesta tarde, argumentando que ele traz perdas de arrecadação aos governos regionais que comprometeriam a prestação de serviços públicos.

A Confederação Nacional dos Municípios (CNM), por outro lado, divulgou posicionamento favorável ao projeto, que disse considerar uma evolução da proposta original do governo que reduz o impacto para as prefeituras.

O Comitê Nacional dos Secretários de Fazenda dos Estados e do DF (Comsefaz) afirmou em nota que a mais recente versão do substitutivo do projeto –cujo relator é o deputado Celso Sabino (PSDB-PA)– não levou em conta sugestões da entidade para evitar prejuízo federativo e mantém “vultosas perdas de recursos para os entes subnacionais”, que cairiam na insolvência fiscal.

“Postulamos a rejeição deste substitutivo para poder garantir à população dignidade e serviços públicos que condigam com as expectativas democráticas dirigidas aos governos estaduais”, disse o Comsefaz.

Em uma segunda nota, a Associação Brasileira das Secretarias de Finanças das Capitais (Abrasf) afirmou que as capitais dos Estados e as maiores cidades do país sofrerão perdas de cerca de 1,5 bilhão de reais caso a mais recente versão do projeto de reforma do IR seja aprovada.

A estimativa da entidade é que, com as mudanças propostas, essas principais cidades passem a receber 800 milhões de reais a menos do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e 700 milhões de reais a menos no IR sobre os rendimentos do trabalho retidos, o que ameaçaria sua capacidade de prestar serviços básicos à população.

“A base do projeto foi entregue aos parlamentares pela equipe do Ministério da Economia e, mesmo após sofrer ajustes, a última versão do substitutivo apresentada pelo relator, deputado Celso Sabino, permanece inadequada e não compensa as perdas dos Municípios e Estados”, disse a Abrasf em nota.

A proposta original de reforma do IR do governo encaminhada à Câmara previa uma redução gradual da alíquota do IR da Pessoa Jurídica e a implantação de uma taxação de 20% sobre os dividendos distribuídos, entre outras mudanças. A estimativa é que o conjunto das medidas geraria um ganho líquido de 1,9 bilhão de reais para o governo em três anos.

O relator do projeto na Câmara, Celso Sabino, modificou pontos da proposta e, em negociação com o governo, aprofundou a desoneração do IRPJ, mas também previu uma mudança na Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL), que não é compartilhada com Estados e municípios. A ideia, ao mexer na CSLL, foi dividir o peso da desoneração e amenizar as perdas de arrecadação dos governos regionais.

Sabino afirmou que seu texto traria um impacto neutro para a arrecadação total ao incluir também uma janela para a taxação de lucros auferidos no exterior. A Receita Federal não divulgou estimativas de impactos da nova versão da reforma.

Em nota curta, a CNM manifestou apoio ao texto em tramitação e ressaltou a importância do diálogo da entidade com o presidente da Câmara, deputado Arthur Lira (PP-AL), de quem destacou os esforços para promover um acordo em torno de outras demandas dos municípios.

Lira afirmou nesta tarde que tentará colocar o texto do IR em votação no plenário da Casa nesta terça-feira, mas reconheceu as chances de o projeto ter sua deliberação mais uma vez postergada.

AVIAÇÃO

Em outra reação contrária à reforma, entidades de aviação civil afirmaram que o setor terá custos adicionais de 5 bilhões de reais com o projeto, que prevê o restabelecimento da tributação sobre importação e venda no mercado interno de aeronaves, partes e peças.

“O aumento da carga tributária impacta negativamente a competitividade das empresas brasileiras e ameaça a capacidade de retomada do setor a partir de 2022” afirmou, em nota divulgada na segunda-feira, um conjunto de entidades de aviação, incluindo a Associação Latino-Americana e do Caribe de Transporte Aéreo (Alta), a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) e o Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (SNEA).

(Por Isabel Versiani; edição de Marcela Ayres e José de Castro)

This article was originally posted on FX Empire

More From FXEMPIRE:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos