Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.134,46
    +6.097,67 (+5,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.429,75
    +802,95 (+1,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,71
    +0,08 (+0,10%)
     
  • OURO

    1.705,50
    +3,50 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    19.547,67
    +353,84 (+1,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    444,47
    +9,12 (+2,09%)
     
  • S&P500

    3.678,43
    +92,81 (+2,59%)
     
  • DOW JONES

    29.490,89
    +765,38 (+2,66%)
     
  • FTSE

    6.908,76
    +14,95 (+0,22%)
     
  • HANG SENG

    17.079,51
    -143,32 (-0,83%)
     
  • NIKKEI

    26.819,53
    +603,74 (+2,30%)
     
  • NASDAQ

    11.356,25
    +70,50 (+0,62%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0705
    -0,0034 (-0,07%)
     

Esta máscara detecta presença do vírus da covid-19 no ar

Além do efeito benéfico de evitar contaminações por vírus, agora as máscaras podem ganhar uma nova função — apontar a presença de patógenos respiratórios no ar, desde gripe comum a SARS-CoV-2, o causador da covid-19. Os cientistas de materiais da Universidade Tongji, em Xangai, conseguiram fazer com que o adereço analise o ar e retorne resultados em até 10 minutos, via alerta ao celular.

Os vírus causadores de problemas respiratórios são dispersos por gotículas e aerossóis liberados pelas pessoas infectadas ao falar, espirrar ou tossir, podendo ficar no ar por um tempo considerável. O diminuto sensor desenvolvido pelos cientistas pode ser aplicado às máscaras e identifica até mesmo quantidades pequenas de patógenos, funcionando muito bem em espaços pouco ventilados, onde o risco de infecção é maior.

Esquema dos cientistas que mostra como a máscara detectora de covid funciona (Imagem: Wang et al./Matter)
Esquema dos cientistas que mostra como a máscara detectora de covid funciona (Imagem: Wang et al./Matter)

Eficiência da máscara detectora

Para testar a eficiência do aparelho, foram pulverizadas soluções com proteínas dos vírus SARS-CoV-2, H1N1 (causador da gripe comum) e H5N1 (causador da gripe aviária) em ambientes internos, próximo à máscara comum mesclada ao sensor. Com apenas 0,3 microlitro de líquido com proteínas virais — 70 a 560 vezes menos que o volume produzido por um espirro —, já foi possível detectar a presença do vírus no ar.

Com o novo dispositivo — que ainda não está à venda, o que deve ocorrer em breve — pode haver melhoria tanto na prática clínica quanto na identificação e controle de pandemias. Os médicos, que estão atualmente munidos apenas da prática clínica e experiências com diagnóstico, poderão acessar dados mais ricos, advindos de wearables como esse. Integrada à internet das coisas, a nova máscara pode oferecer monitoramento via dispositivos móveis em qualquer hora e local.

A portabilidade e monitoramento em tempo real providenciado por uma máscara pode gerar alertas precoces muito úteis ao usuário e às autoridades, prevenindo a disseminação de patógenos em escalas largas como a que a covid-19 tomou. A equipe responsável, no entanto, não planeja descansar, e trabalha para reduzir o tempo de detecção e aumentar a já ótima sensibilidade.

Também há planos para criar dispositivos vestíveis semelhantes que possam detectar outras doenças, como câncer e doenças cardiovasculares. Um artigo detalhando o funcionamento e os testes com a máscara detectora de vírus foi publicado nesta segunda-feira (19) na revista científica Matter.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: