Mercado abrirá em 5 h 30 min
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,69 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,11 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,05
    +1,79 (+2,70%)
     
  • OURO

    1.784,60
    +0,70 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    48.722,83
    -864,55 (-1,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.252,99
    -188,77 (-13,09%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,72 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.472,63
    -294,06 (-1,24%)
     
  • NIKKEI

    27.927,37
    -102,20 (-0,36%)
     
  • NASDAQ

    15.749,00
    +31,25 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3779
    -0,0174 (-0,27%)
     

Esta foto mostra vestígios de anã branca jovem que explodiu em supernova

·2 min de leitura

Enquanto buscava “sobreviventes” de anãs brancas que explodiram em supernovas na Grande Nuvem de Magalhães, que é uma galáxia anã satélite da Via Láctea, o telescópio espacial Hubble acabou identificando vestígios deixados por uma dessas explosões. Assim, uma nova imagem do telescópio mostra filamentos coloridos de gás, que constituem o remanescente de supernova conhecido como DEM L249.

O DEM L249 é um remanescente originado da morte de uma estrela anã branca bastante massiva, que parece ter encerrado seu ciclo quando ainda era jovem. De acordo com dados obtidos pelo telescópio Chandra, de raios X, e pelo observatório XMM-Newton, da Agência Espacial Europeia (ESA), o gás do DEM L249 é ainda mais quente e brilhante que outros remanescentes de supernovas parecidas.

Imagem completa do DEM L249, considerado um remanescente deixado após a morte de uma estrela anã branca (Imagem: ReproduçãoNASA/ESA/Y. Chou/Gladys Kober)
Imagem completa do DEM L249, considerado um remanescente deixado após a morte de uma estrela anã branca (Imagem: ReproduçãoNASA/ESA/Y. Chou/Gladys Kober)

As supernovas são a etapa final do ciclo de vida de uma estrela massiva, ou seja, aquela que tenha pelo menos cinco massas solares. Essas estrelas queimam grandes quantidades de combustível nuclear em seus núcleos, produzindo energia e, consequentemente, a pressão que evita que a estrela colapse sobre si própria. Quando o combustível acaba, a estrela esfria e o equilíbrio que a sustenta é rompido, colapsando a estrela em poucos segundos.

Esse processo ocorre tão rapidamente que libera ondas de choque, que rompem as camadas mais externas da estrela e deixam para trás apenas um núcleo denso. Já o remanescente em questão pode ter sido deixado por uma supernova do tipo 1a, causada pela morte de uma estrela anã branca. Esse tipo de explosão ocorre quando a anã branca, um objeto massivo, começa a obter matéria de alguma vizinha estelar próxima; com isso, a massa da estrela aumentará até chegar a um ponto em que não poderá mais sustentar seu peso, explodindo em uma supernova.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos